Danilo Verpa/Folhapress

Greves e protestos pelo Brasil

Manifestação termina em tumulto com pedras e bombas na Central do Brasil

Do UOL, no Rio*

  • Antonio Scorza/Agencia O Globo

    Durante o tumulto, pedras foram lançadas contra guardas municipais, que utilizaram bombas de gás lacrimogênio

    Durante o tumulto, pedras foram lançadas contra guardas municipais, que utilizaram bombas de gás lacrimogênio

Uma manifestação de moradores do morro da Providência, no Centro do Rio de Janeiro, terminou em confusão nos arredores da Central do Brasil, no início da noite desta quinta-feira (23), de acordo com informações do 5º Batalhão da Polícia Militar. Durante o tumulto, pedras foram lançadas contra guardas municipais, que utilizaram bombas de gás lacrimogênio. Segundo informações da 4ª Delegacia da Polícia Civil, na confusão uma mulher foi atropelada e encaminhada ao Hospital Municipal Souza Aguiar sem gravidade. Um policial militar que atuou no local afirmou que a manifestação ocorreu por conta da morte de um morador da comunidade.

A assessoria de imprensa da Guarda Municipal informou que a Unidade de Ordem Pública do Centro foi cercada por manifestantes que atiraram pedras contra o local, "sem motivo aparente". Ainda segundo o órgão, oito pessoas foram detidas, bombas foram apreendidas e quatro guardas tiveram ferimentos leves, todos sem gravidade.

Os manifestantes atearam fogo a objetos para fazer uma barricada. O foco de incêndio foi apagado pelo Corpo de Bombeiros. Por volta das 21h20, homens do Batalhão de Choque que foram acionados pelos guardas municipais lançaram bombas de efeito moral contra uma parte do grupo que permanecia no local. Houve nova correria entre as pessoas que esperavam ônibus.

Neste horário, o acesso da Central do Brasil ao lado do Restaurante Popular permanecia fechado e os usuários só podiam entrar e sair no prédio pelo acesso lateral. Pedras, paus e outros objetos arremessados anteriormente pelos manifestantes continuavam no chão do prédio.

Por conta da confusão, duas entradas da estação de metrô da Central --do Ministério do Exército e do Campo de Santana-- foram temporariamente fechadas. O Centro de Operações da Prefeitura do Rio informou, às 19h15, a Rua Bento Ribeiro, na altura do terminal rodoviário da Central do Brasil, havia sido interditada e que equipes da Guarda Municipal, da PM e da CET-Rio (Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio) atuavam na região. O trânsito, que apresentou retenções foi liberado minutos depois.

Usuários de redes sociais que passavam pelo local relataram que houve correria e "quebra quebra" no local. Um deles afirmou que a Central estava "uma verdadeira praça de guerra, com direito a bala de borracha e bomba de gás". Também houve relatos de que teria havia arrastão na região. (Com BandNews)

*Colaborou Hanrrikson de Andrade

Protestos no Rio de Janeiro em 2014
Protestos no Rio de Janeiro em 2014

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos