MPF quer barrar pesca na foz do rio Doce atingida pela lama de Mariana (MG)

Rayder Bragon

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

  • Fabio Braga/Folhapress

    23.nov.2015 - Lama chega à foz do rio Doce, na praia de Regência, e deságua no mar

    23.nov.2015 - Lama chega à foz do rio Doce, na praia de Regência, e deságua no mar

O MPF (Ministério Público Federal) entrou com uma ação civil pública para impedir a pesca na região da foz do rio Doce, no Espírito Santo. O rio foi severamente atingido pela lama que vazou após o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), no dia 5 de novembro do ano passado.

A argumentação do órgão é a de "preservar a saúde da população que consome os pescados da região e a sobrevivência das espécies já impactadas pelos rejeitos de mineração'.

Para a procuradora da República Walquíria Imamura Picoli nenhum estudo realizado até o momento garante que os peixes, moluscos e crustáceos que habitam a área da foz do rio Doce não estão contaminados por substâncias nocivas à saúde humana depois do rompimento da barragem.

Segundo o órgão, seria liberada apenas a atividade de pesca destinada à pesquisa cientifica e os estudos que visam analisar os impactos da lama no mar e a contaminação dos recursos pesqueiros.

O MPF informou que a pesca voltou a ser praticada na região e a atividade poderá fazer com que os trabalhos de pesquisa desenvolvidos sejam prejudicados "adiando ainda mais o diagnóstico dos impactos do desastre ambiental".

O órgão quer que, liminarmente, a União, o Estado do Espírito Santo, além do IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), IMCbio (Instituto Chico Mendes da Preservação da Biodiversidade)  e o Iema (Instituto Estadual de Meio Ambiente do Espírito Santo) sejam obrigados a fiscalizar a proibição da "pesca de qualquer natureza na região' compreendida entre Barra do Riacho, em Aracruz, até a cidade de Linhares, ambas no Espírito Santo.

Por sua vez, a mineradora Samarco, responsável pela barragem que se rompeu, seria a responsável pelo custeio das operações de fiscalizações feitas pelo poder público.

A empresa, que é controlada pela Vale e pela anglo-australiana BHP, também teria que cadastrar os pescadores impactados pelo veto da pesca para pagamento de um auxílio-subsistência, no valor de um salário-mínimo, acrescido de 20% por integrante da família, mais uma cesta básica.

O MPF alega que os estuários como o da foz do rio Doce são "um tipo único de ecossistema e que muitas espécies necessitam de seus ciclos para sobrevivência".

O órgão revela ainda que a biodiversidade da foz do rio faz com que ela seja uma das principais áreas de pesca do Estado do Espírito Santo.

Condenação

O MPF pede ainda que a Samarco seja condenada a indenizar os pescadores pelos lucros cessantes comprovados durante o período que se estender a interdição da atividade pesqueira.

Caso a empresa descumpra a medida, ela deverá ser multada em R$ 1 milhão por dia. Já os órgãos públicos, em R$ 10 mil diários.

A mineradora Samarco informou, por meio de nota, que não foi notificada oficialmente sobre a ação do MPF. A empresa disse, no entanto, que "continua aberta ao diálogo com as comunidades afetadas ao longo do Rio Doce e com as autoridades".

O texto ainda informa que é realizado um monitoramento constante da qualidade da água no litoral capixaba, incluindo a foz do rio, "onde são colhidas, a cada duas horas, amostras da água e de sedimentos para a análise, a pedido do próprio Ministério Público".

A Samarco afirmou, por fim, que todos os parâmetros estão dentro do limite legal estabelecido no país para os metais pesados "e os laudos são disponibilizados para as autoridades". 

Em Minas, pescadores ficam sem o que comer ou vender

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos