Rio Acre tem menor nível desde 1970; 9 cidades em situação de emergência

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

  • Pedro Devani/Governo do Acre

    Nesta quinta-feira (4), o rio Acre atingiu 1,41 metros, o menor nível desde 1970

    Nesta quinta-feira (4), o rio Acre atingiu 1,41 metros, o menor nível desde 1970

O governo federal reconheceu, nesta quinta-feira (4), situação de emergência em nove municípios do Acre por conta da seca histórica que atinge o Estado. Nesta manhã, segundo a Defesa Civil Estadual, o rio Acre atingiu o menor nível desde 1970, quando começaram as medições: 1,41 metro.

O baixo índice acontece um ano e cinco meses depois da maior cheia da história do rio, que deixou um rastro de destruição no Estado.

A Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil reconheceu, segundo portaria publicada hoje no Diário Oficial da União, a situação de emergência em Acrelândia, Assis Brasil, Brasileia, Bujari, Epitaciolândia, Plácido de Castro, Porto Acre, Rio Branco e Xapuri.

O governo do Estado já havia decretado situação de emergência em toda Bacia do Rio Acre no dia 7 de julho, quando pôs em prática o Plano de Contingência de Abastecimento. Segundo o governo, o déficit de chuvas no Estado chega a 400 milímetros nos últimos meses (cada milímetro corresponde a um litro de água em um 1m²).

Pedro Devani/Governo do Acre
Em março de 2015, o rio Acre teve uma das suas maiores cheias
Em menos de um ano e meio, o Acre viveu situações extremas contrárias. Em março de 2015, o rio Acre atingiu o maior nível da história: 18,4 metros, o que desabrigou mais de 10 mil pessoas somente na capital e atingiu 24 mil residências e pontos comerciais, numa área equivalente a 4.500 campos de futebol. 

Pode piorar

Segundo o Instituto de Mudanças Climáticas, não há previsão de chuva forte para os próximos 45 dias no Acre.

O governo informou que a prevê que o rio chegue a 1,25 metro em 15 dias, o que complicaria o abastecimento de água --já que a captação de água fica exatamente nessa altura.

Para garantir o abastecimento de Rio Branco, o governo diz que estuda construir uma barragem para manter a captação de água. Uma campanha contra o desperdício de água também foi lançada para que a população ajude.

O baixo nível da água causa também problemas de navegação do rio, que em muitos pontos não permite mais a passagem de barcos.

Queimadas

Outro problema grave causado pela seca é o aumento no número de queimadas. Segundo o Corpo de Bombeiros, este ano foram 1.200 chamados para focos urbanos e florestais, contra 500 no mesmo período do ano passado.

Entre julho e agosto, foram 533 queimadas segundo o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais.

Nesta sexta-feira (5) uma reunião será uma realizada com o pessoal de saúde do Estado e de Rio Branco e debater as doenças respiratórias que atingem moradores nesse período.

Também será assinado um termo de cooperação técnica entre a Polícia Militar, Bombeiros e o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) para ações conjuntas de fiscalização e educação ambiental em assentamentos.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos