Governo do ES diz ter chegado a acordo para fim de paralisação de policiais

Do UOL, em São Paulo*

O governo do Espírito Santo informou na noite desta sexta (10) que chegou a um acordo para encerrar, a partir das 7h da manhã deste sábado (11), o movimento de parentes de policiais que impediam desde sábado (4) o trabalho dos oficiais.

No entanto, o acordo foi firmado com associações de policiais, e não com as famílias que estão bloqueando a saída de oficiais e veículos dos batalhões há dias --e que vinham participando de reuniões com o governo.

Segundo o governo, o acordo foi assinado com a Assomes (Associação dos Oficiais Militares do Estado do Espírito Santo), a ACS (Associação de Cabos e Soldados), a ABMES (Associação dos Bombeiros Militares do Espírito Santo) e a Asses (Associação dos Subtenentes e Sargentos da Polícia e Bombeiro Militar do Espírito Santo).

O secretário estadual de Direitos Humanos, Júlio César Pompeu, pediu que os policiais "conversem com suas esposas" e voltem ao trabalho. Ao longo da semana, o governo chegou a chamar o movimento de "greve branca", já que a Constituição não permite que militares façam este tipo de movimento.

"Quem fez juramento de honra, de defesa da sociedade, são os policiais militares. Não são suas esposas", disse o secretário.

Governo não garante reajuste

Depois de mais uma rodada de negociação, o governo não se comprometeu com o reajuste salarial, uma das principais reivindicações do movimento

"Sem aumento da arrecadação, não há como [aumentar salários]", disse Pompeu.

O acordo firmado também prevê que o governo suspenda a punição a PMs amotinados, desde que voltem ao trabalho até as 7h de sábado. Mesmo assim, o indiciamento de 703 PMs pelo crime de revolta, anunciado mais cedo pela cúpula de segurança do Estado, não será extinto, afirmou o secretário.

O governo também se comprometeu a apresentar um cronograma para cumprir promoções previstas em lei e ainda não cumpridas, assim como a formação de uma comissão para avaliar a carga horária de policiais e bombeiros.

Mais de 100 mortos em uma semana

Desde o início da paralisação, ao menos 112 pessoas foram assassinadas no Estado, segundo a Polícia Civil. Além dos assassinatos, saques e assaltos foram registrados com frequência em várias cidades. Militares das Forças Armadas e da Força Nacional foram convocados para tentar garantir a segurança no Estado. O poder de polícia chegou a ser transferido ao Exército.
 
Ao longo da semana, a rotina dos capixabas mudou drasticamente, já que ficaram sem trabalhar nem estudar. Ônibus, escolas, unidades de saúde, agências bancárias, repartições públicas e a maior parte do comércio praticamente não funcionaram desde que os protestos começaram.
 
"Eu não sei se elas estão conscientes do que está acontecendo. E do que pesa sobre os ombros delas", disse o secretário Pompeu sobre as mulheres que participaram do movimento.
 
Hoje, o presidente Michel Temer disse em nota que condena "a paralisação ilegal da polícia militar que atemoriza o povo capixaba", e afirmou que "o direito à reivindicação não pode tornar o povo brasileiro refém".

Entenda a crise no Espírito Santo

No sábado (4), parentes de policiais militares do Espírito Santo montaram acampamento em frente a batalhões da corporação em todo o Estado. Eles reivindicavam melhores salários e condições de trabalho para os profissionais.

Na segunda-feira (6), o movimento foi considerado ilegal pela Justiça do Espírito Santo porque ele caracteriza uma tentativa de greve, o que é proibido pela Constituição para militares. As associações que representam os policiais deverão pagar multa de R$ 100 mil por dia pelo descumprimento da lei.

Ao longo de todo o movimento, a ACS-ES (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar do Espírito Santo) afirmou não ter relação com o movimento. Segundo a associação, os policiais capixabas estão há sete anos sem aumento real, e há três anos não se repõe no salário a perda pela inflação.

A Sesp-ES (Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa Social do Espírito Santo) contesta as informações passadas pela associação. Segundo a pasta, o governo do Espírito Santo concedeu um reajuste de 38,85% nos últimos 7 anos a todos os militares e a folha de pagamento da corporação teve um acréscimo de 46% nos últimos 5 anos.

(*Com Estadão Conteúdo)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos