Sem PMs nas ruas, 112 pessoas já foram assassinadas, diz Polícia Civil do ES

Paula Bianchi

Do UOL, em Vitória

Com a crise de insegurança instalada no Espírito Santo, houve o registro de 112 assassinatos desde o último sábado (4) até esta quinta-feira (9). Os dados são da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Vitória. 

Esta é a primeira vez que a Polícia Civil dá informações oficiais em relação aos homicídios. Até então, as informações de mortos eram repassadas pelo Sindipol (Sindicato dos Policiais Civis do Estado), cujo último balanço apresentou 110 vítimas de assassinatos. 
 
Uma onda de insegurança tomou o Estado capixaba desde que familiares dos policiais militares passaram a fazer motins em frente aos quartéis, impedindo a atuação da Polícia Militar.
 
Devido ao crescente número de assassinatos, o presidente da República Michel Temer autorizou o envio das Forças Armadas e Força Nacional para fazer a segurança estadual, na ausência da PM. Desde segunda-feira (6), 1.200 membros do Exército têm ocupado as ruas das cidades capixabas. 
 

Entenda a crise no Espírito Santo

No sábado (4), parentes de policiais militares do Espírito Santo montaram acampamento em frente a batalhões da corporação em todo o Estado. Eles reivindicam melhores salários e condições de trabalho para os profissionais.

Desde segunda-feira (6), o movimento é considerado ilegal pela Justiça do Espírito Santo porque ele caracteriza uma tentativa de greve, o que é proibido pela Constituição. As associações que representam os policiais deverão pagar multa de R$ 100 mil por dia pelo descumprimento da lei.

A ACS-ES (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar do Espírito Santo) afirma não ter relação com o movimento. Segundo a associação, os policiais capixabas estão há sete anos sem aumento real, e há três anos não se repõe no salário a perda pela inflação.

A SESP (Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa Social) contesta as informações passadas pela associação. Segundo a pasta, o governo do Espírito Santo concedeu um reajuste de 38,85% nos últimos 7 anos a todos os militares e a folha de pagamento da corporação teve um acréscimo de 46% nos últimos 5 anos.

Na noite de quarta-feira (8), integrantes do governo reuniram-se com representantes do movimento de familiares, que apresentou uma pauta de reivindicações --anistia geral para todos os policiais e 100% de aumento para toda a categoria-- e uma nova reunião, com a presença do governador César Calnago (PSDB), foi marcada para esta quinta-feira.

Em função da morte de um agente, os policiais civis também paralisaram os seus serviços na quarta. Eles devem decidir se entrarão em greve hoje, em assembleia conjunta com os agentes penitenciários.

Os ônibus também não circulam regularmente na Grande Vitória desde o início desta semana. Nesta quinta, a categoria decidiu que não voltará ao trabalho enquanto a polícia não retornar as ruas. A decisão aconteceu após o assassinato do presidente do Sindirodoviários (Sindicato dos Rodoviários) de Guarapari (ES).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos