PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Polícia Civil ouve 20 vítimas do naufrágio em Salvador, incluindo o comandante

Fernando Vivas/Folhapress
Imagem: Fernando Vivas/Folhapress

Alexandre Matos

Colaboração para o UOL, em Salavador

25/08/2017 21h37Atualizada em 25/08/2017 21h37

Vinte pessoas que estavam no Cavalo Marinho I, embarcação que naufragou na manhã de ontem (24), após saída da praia de Mar Grande, em direção à Salvador, foram ouvidas nesta sexta-feira (25), por equipes da 24ª Delegacia Territorial (Vera Cruz). Entre os que prestaram depoimentos na sede da Polícia Civil, na Piedade, e na DT de Vera Cruz, estão passageiros e alguns tripulantes, incluindo o comandante da embarcação.

De acordo com o titular da 24ª DT, delegado Ricardo Amorim, os proprietários da empresa responsável pela embarcação também foram intimados e devem prestar esclarecimentos na próxima semana. “Por enquanto, os depoimentos estão bastante semelhantes, apresentando poucas divergências entre as versões”, afirmou Amorim. Para ele, é cedo para determinar o que teria causado o acidente que matou 18 pessoas.

Segundo o delegado, apurações iniciais dão conta de que não havia superlotação na embarcação. O delegado também expediu guias de lesão corporal para todos aqueles que se apresentaram como vítimas da tragédia. “Precisamos que todos aqueles que estiveram no Cavalo Marinho I, no momento do acidente, compareçam à 24ª DT para serem ouvidos”, enfatizou. 

Aproveitou para convocar as vítimas para o reconhecimento e devolução de pertences recolhidos durante os resgates. As investigações contam ainda com o apoio logístico da 19ª DT (Itaparica) e do Departamento de Polícia Metropolitana (Depom) e vão seguir pelo final de semana.

Equipes da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros mantiveram as buscas nesta sexta-feira. No entanto, nada foi encontrado.

Cotidiano