PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Turistas procuram, mas guia da Rocinha suspende passeios: "Não posso colocar pessoas em risco"

Turistas posam para foto com morador da Rocinha em um dos passeios pela comunidade. Atividade foi suspensa por conta da violência na favela da zona sul do Rio - Reprodução/Facebook/Rocinha by Rocinha
Turistas posam para foto com morador da Rocinha em um dos passeios pela comunidade. Atividade foi suspensa por conta da violência na favela da zona sul do Rio Imagem: Reprodução/Facebook/Rocinha by Rocinha

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, no Rio

27/09/2017 04h00

O conflito armado na Rocinha e o medo da violência levaram a agência Rocinha by Rocinha, que promove o turismo na comunidade, a suspender os passeios a pé --conhecidos como "walking tours"-- há quase dois meses, relatou ao UOL um dos criadores da empresa, o guia turístico Erik Martins.

O jovem, que nasceu, cresceu e mora na favela da zona sul carioca, diz que dois grupos de turistas, sendo um brasileiro e um estrangeiro, chegaram a procurar pelos serviços da agência nas últimas semanas, mas, cauteloso, ele ponderou que "não havia qualquer possibilidade de trabalhar" nesse período.

"Eu prefiro prezar pela segurança dos nossos clientes do que colocar pessoas em risco. Além da integridade do nosso cliente, é importante tentar resguardar a nossa imagem, não queimar o nosso filme", disse.

"Hoje parece que as coisas estão começando a voltar ao normal. Aos poucos, a Rocinha está voltando a funcionar, apesar de todo mundo ainda estar ressabiado e com a atenção redobrada. Acredito que poderemos voltar a fazer os passeios nos próximos meses."

Na visão de Erik, as pessoas manifestaram interesse porque "ainda não tinham uma noção da coisa", pois não havia, até o último fim de semana, "esse espetáculo teatral e televisivo" --em referência ao cerco militar feito pela Polícia Militar e pelas Forças Armadas.

Na última sexta-feira (22), as forças de segurança subiram a Rocinha em uma grande operação militar com objetivo de acabar com uma sangrenta disputa entre grupos rivais pelo controle do tráfico de drogas. Foram mobilizados, na ocasião, mais de 1.000 policiais e homens do Exército, além de tanques de guerra.

O estopim da briga foi uma tentativa de invasão à comunidade de um grupo de criminosos leais a Antônio Bonfim Lopes, o Nem, que cumpre pena na penitenciária federal de Porto Velho (RO). Mesmo detido, ele teria ordenado o ataque contra o bando de Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, que assumiu a chefia do crime organizado na região após a prisão de Nem, em 2011. Em apenas dois dias, pelo menos quatro pessoas morreram e mais de 3.000 alunos ficaram sem aula.

Leia também: Rogério 157 negociou rendição com a PF, mas desistiu após cerco militar

Segundo Erik, o impacto da violência para os comerciantes e empreendedores da favela é gravíssimo. "Ficou realmente perigoso a ponto de não ser possível trazer qualquer pessoa aqui, receber qualquer cliente. Agora, até seria possível trabalhar, mas ainda sob um clima de tensão e uma apreensão muito maior do que normalmente se tinha aqui."

Erik estima ter tido um prejuízo de mais de R$ 2.000 com a suspensão forçada das atividades. "A minha sorte é que eu também dou aulas de inglês e assim consigo me manter", disse o criador da Rocinha by Rocinha. 

Em setembro do ano passado, a média de atividades seria de três ou quatro passeios por semana --os tours são agendados e costumam receber grupos de três a cinco pessoas na baixa temporada.

Tour a pé: fotos do tráfico são proibidas

De acordo com o guia turístico, a metodologia de comando do chefão do crime na comunidade, Rogério 157, não afetou os negócios ligados ao turismo. Segundo a polícia, após chegar ao topo da hierarquia, o traficante instituiu taxas para vários serviços, como a venda de água, a distribuição de gás e a atividade de mototaxistas. Esse é o mesmo modus operandi das milícias, os grupos paramilitares que controlam alguns territórios na cidade, sobretudo na zona oeste.

"É importante deixar claro que o turismo caminha por um lado um pouco diferente. Até onde eu sei, nunca houve taxação em cima das atividades ligadas ao turismo. Os negócios sempre funcionaram normalmente, sem taxação extra. Mas é claro que eu, como morador, já ouvi falar a respeito. A gente acaba sabendo dessa taxação em relação a outras atividades."

Leia também: Extorsão a mototáxi rende R$ 100 mil por mês a Rogério 157

Questionado sobre a postura violenta do tráfico na relação com a comunidade, Erik é cauteloso ao comentar. Segundo ele, atualmente, a Rocinha está em um momento "à flor da pele", em um cenário onde as principais vítimas são os moradores.

"A gente já sofre a realidade do dia a dia. O julgamento da sociedade e até o do Estado, através da polícia, que acha muitas vezes que somos coniventes com o tráfico. Já é difícil passar essas dificuldades do dia a dia, pior ainda é ter que ouvir condenações por parte da polícia e ver o descaso do poder público", afirmou.

O guia observou que os turistas que são levados à favela costumam ser respeitados pelos traficantes do local desde que sigam orientações amplamente conhecidas entre os que trabalham no ramo. Uma delas é não fotografar determinadas áreas nas quais há presença ou movimentação de criminosos, como as bocas de fumo.

Rogério 157 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

"A gente sempre buscou fazer um trabalho mais imersivo, porque acreditamos que o turismo não é bom apenas para o nosso negócio, mas para os bares, restaurantes, moradores, para as rodas de capoeira e outras atividades. (...) Vamos por dentro [da comunidade] mesmo, visitamos a casa de um morador lá no alto, enfim, tentamos fazer uma coisa que não é somente contemplativa", disse.

O guia citou um caso de uma abordagem feita por traficantes depois que um turista desatento tirou fotos em uma área "proibida".

"Eu sempre oriento a pessoa sobre como deve agir nessas situações, por exemplo, ficar no canto para não atrapalhar a passagem dos moradores, prestar atenção na movimentação de motos, essas coisas. Mas o turista insistiu em tirar fotos quando passamos por uma determinada área. Nesse momento, houve uma abordagem, e eles [traficantes] perguntaram porque ele estava tirando fotos ali. Foi um momento de tensão, mas depois a gente explicou e tudo foi resolvido na conversa. Facilita muito o fato de ser daqui, estar trabalhando aqui há muito tempo. As pessoas me conhecem."

Há três anos no mercado, a Rocinha By Rocinha promove passeios a pé pela comunidade e, segundo Erik, trabalha com um "turismo imersivo", buscando criar conexões entre os visitantes e os moradores. "Você pode até estudar a Rocinha, mas só realmente vivendo aqui para você conseguir traçar um panorama mais próximo da realidade", comentou.

O guia afirma que 80% do público que participa das atividades promovidas pela agência são estrangeiros. De acordo com ele, para grupos formados por quatro visitantes, o ticket médio sai a R$ 75 por pessoa. O valor individual é de cerca de R$ 120.

Tanques do Exército chegaram à Rocinha na sexta-feira (22)

UOL Notícias

Cotidiano