PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Justiça envia provas de crimes de bispo de Formosa (GO) para interventor da Igreja Católica

O bispo de Formosa (GO), José Ronaldo Ribeiro, foi afastado de suas funções pelo papa - Reprodução
O bispo de Formosa (GO), José Ronaldo Ribeiro, foi afastado de suas funções pelo papa Imagem: Reprodução

Flávio Costa

Do UOL, em São Paulo

22/03/2018 14h44Atualizada em 23/03/2018 09h14

A Justiça goiana autorizou o envio das provas coletadas contra o bispo José Ronaldo Ribeiro ao interventor nomeado pelo papa Francisco na diocese na Formosa (GO), o arcebispo Paulo Mendes Campos. O bispo e mais cinco quatro padres foram presos sob acusação de desviar R$ 1 milhão por ano da diocese. A suspeita é que eles tenham cometido os crimes de associação criminosa, apropriação indébita, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Os sacerdotes foram presos na última segunda-feira (19) durante a deflagração da Operação Caifás. Dois dias depois, o papa Francisco nomeou dom Paulo Mendes, que é arcebispo de Uberaba (MG), como interventor na diocese goiana, formada por 33 igrejas distribuídas em 20 paróquias.

"Não vislumbro impedimento no compartilhamento de provas para apuração de responsabilidade em outras esferas, porquanto se trata de prova considerada lícita e compatível com a legislação e ordem constitucional brasileira em vigência", afirmou, em sua decisão, o juiz da 2ª Vara Criminal de Formosa (GO), Fernando Oliveira Samuel.

"A Igreja é vítima neste caso e por esta razão o Ministério Público teve a iniciativa de pedir à Justiça autorização para compartilhar as provas coletadas durante a investigação, inclusive o conteúdo das escutas telefônicas", afirmou o promotor de Justiça Douglas Chegury, responsável pelo inquérito da Operação Caifás.

Em um diálogo telefônico interceptado três dias antes de sua prisão, o bispo José Ronaldo Ribeiro afirma ter considerado procurar ajuda de pessoas influentes para barrar a investigação do MP-GO.

"No começo fiquei inseguro, pensando que tinha que acionar pessoas mais fortes. A finalidade [da investigação] é a de me eliminar. Depois vou querer uma retratação. O negócio não vai ficar barato", disse o bispo, de acordo com a transcrição das escutas telefônicas, a cujo conteúdo o UOL teve acesso exclusivo. 

Bispo foi preso por desviar dinheiro da igreja católica em Goiás

UOL Notícias

Parte do dinheiro foi usada, segundo a investigação, na compra de uma fazenda de gado e uma casa lotérica na cidade de Posse, também no interior de Goiás. As propriedades foram colocadas em nomes de "laranjas". 

Polícia acha dinheiro escondido em guarda-roupa de vigário

Ao cumprirem um dos mandados de busca e apreensão, policiais civis encontraram R$ 95 mil escondidos sob o fundo falso do guarda-roupa do monsenhor Epitácio Cardozo Pereira, em sua casa na cidade de Planaltina (GO). Pereira, que está entre os presos, é vigário-geral de Formosa (GO), cargo que corresponde ao segundo na hierarquia da diocese. No total, a polícia apreendeu R$ 135 mil, considerando também os valores encontrados nas casas de outros investigados. 

"Não é meu", diz vigário-geral sobre dinheiro encontrado

UOL Notícias

Ao ser confrontado pelos agentes, o vigário-geral negou que o dinheiro pertencesse a ele. "Esse dinheiro não é meu, é da diocese." As notas estavam acondicionadas em plástico. Policiais também encontraram uma caixa aberta com cédulas e moedas. "Esse é o dinheiro da coleta", afirmou o vigário-geral. 

Estão presos, além do bispo e do vigário-geral, os padres Moacyr Santana, Mário Vieira de Brito e Waldson José de Melo.

19.mar.2018 -- Policiais encontraram dinheiro escondido na casa do vigário geral de Formosa - Reprodução - Reprodução
Policiais encontraram dinheiro escondido na casa do vigário geral de Formosa
Imagem: Reprodução
O advogado da diocese de Formosa, Edimundo da Silva Borges Júnior, afirmou que não havia tido acesso aos autos do inquérito. Por essa razão, não comentou as suspeitas que recaem sobre a cúpula da diocese. Ele também figura entre os investigados da operação.  

Pressão sobre testemunhas

Quando as denúncias dos fiéis vieram à tona, o bispo Ribeiro convocou um padre de sua confiança, que tinha as funções de juiz eclesiástico, com o objetivo de intimidar testemunhas, afirma o MP-GO.

"Esse juiz eclesiástico pressionou os padres para que nada fosse relevado e eles jurassem fidelidade ao padre. O bispo e o juiz eclesiástico, com a ajuda de um advogado, elaboraram um relatório falso no qual se afirma que as despesas da arquidiocese eram menores do que de fato são", diz o promotor Chegury.

O esquema contava ainda com a ajuda de funcionários da arquidiocese que providenciavam falsa documentação para dar respaldo aos desvios.

Cotidiano