Topo

RN sofre novos ataques com tiros contra base dos bombeiros e veículos incendiados

Divulgação
Dois veículos da base do Corpo de Bombeiros de Mossoró (RN) também foram incendiados Imagem: Divulgação

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Marechal Deodoro (AL)

07/06/2018 01h35Atualizada em 07/06/2018 11h15

O Rio Grande do Norte sofreu novos ataques na noite de quarta-feira (6) e nas primeiras horas desta quinta (7). A madrugada foi de tensão em uma base do Corpo de Bombeiros localizada na BR-304, no município de Mossoró, região oeste do estado. Homens atiraram contra o prédio, quebrando uma vidraça, e atearam fogo em dois veículos da corporação. Ninguém se feriu.

O atentado ocorreu por volta das 3h30 e, até perto das 6h30, nenhum suspeito havia sido detido. Segundo a polícia, o grupo chegou a pé atirando e, ao mesmo tempo, espalhando combustível nos veículos. Dois deles tiveram perda total. 

A Delegacia Geral de Polícia Civil do RN informou que dois suspeitos de cometer os ataques contra a base dos bombeiros foram detidos nas primeiras horas da manhã de hoje. Eles estão presos na Divisão de Polícia Civil do Oeste. A polícia ainda não divulgou as identidades dos acusados. 

Mais cedo, na noite da quarta, dois ônibus que fazem o transporte público foram atingidos na capital Natal. 

O estado vem sofrendo uma série de ataques iniciada no último sábado (2). Atentados criminosos também estão ocorrendo em Minas Gerais. Dezessete cidades registraram ônibus queimados e prédios públicos vandalizados.

Via Certa Natal/Divulgação
Ônibus é incendiado no terminal do bairro Alto da Torre, em Natal, na noite desta quarta Imagem: Via Certa Natal/Divulgação

As forças de segurança dos dois estados investigam uma possível atuação da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) nas ações.

O primeiro ataque a ônibus desta quarta ocorreu no terminal do Parque dos Coqueiros, localizado na zona norte de Natal. Um homem jogou combustível e ateou fogo em um ônibus da empresa Guanabara que estava estacionado. Não houve feridos, e os próprios rodoviários apagaram as chamas.

O segundo ataque foi contra outro ônibus da Guanabara. Um grupo apedrejou o veículo, quebrando todas as janelas de vidro. Ele fazia a linha 79 e estava parado em um ponto do bairro Alto da Torre, na região norte. Também neste caso não há registro de feridos.

Via Certa Natal/Divulgação
Ônibus com janelas quebradas após ser apedrejado em ponto do bairro Alto da Torre Imagem: Via Certa Natal/Divulgação
Segundo a Polícia Militar, a hipótese trabalhada até o momento é a de autoria do PCC. Nenhum suspeito dos dois ataques foi preso.

Ainda na quarta, a polícia encontrou um bilhete dentro de um dos ônibus atacados em Itajubá (região sul de Minas Gerais) atribuindo o crime à facção criminosa.

Na mensagem, criminosos teriam dito que os ataques são ordenados pelo grupo, em reivindicação por melhores condições no presídio de Itajubá e na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta (região metropolitana de Natal. A mensagem do bilhete é investigada Polícia Federal em Minas Gerais e no Rio Grande do Norte.

Em janeiro de 2017, a penitenciária de Alcaçuz foi palco do maior massacre registrado durante rebelião no estado. Vinte e seis presos foram assassinados durante uma briga entre o PCC e a facção Sindicato do Crime do RN, grupo criminoso local.

Ataque a agência bancária

Bandidos também aterrorizaram a população do município de Angicos (região oeste do estado), nesta madrugada. Oito homens fortemente armados invadiram a agência do Banco do Brasil e tentaram explodir o prédio.

Eles chegaram ao município usando uma caminhonete e colocaram grampos no trajeto para impedir que a polícia acessasse o local usando viaturas.

A PM chegou no momento em que o grupo tentava explodir os caixas eletrônicos e houve troca de tiros. Eles não conseguiam levar dinheiro dos caixas.

Na fuga, os bandidos levaram duas pessoas como reféns e as libertaram na saída da cidade. Não houve feridos.

Segundo a polícia, os bandidos estavam portando armas de grosso calibre.

Série de ataques

Os ataques no Rio Grande do Norte começaram no sábado. Seis criminosos em três motocicletas cercaram um ônibus que fazia a linha 25, da empresa Guanabara, no bairro Nordeste, região central de Natal. Os homens que estavam em garupas de motos ordenaram que passageiros, motorista e cobrador descessem. Em seguida, jogaram combustível e atearam fogo no veículo. Depois de queimarem o ônibus, os criminosos saíram gritando o nome do PCC.

Após o ataque, rodoviários decidiram recolher a frota devido ao clima de insegurança. Por volta das 18h, já não havia mais ônibus circulando, e o transporte de passageiros ficou prejudicado.

No final da tarde do domingo (3), homens interceptaram um ônibus em São Gonçalo do Amarante (região metropolitana de Natal), ordenaram que rodoviários e usuários do coletivo descessem e incendiaram o veículo.

No município de Umarizal, na região oeste do estado, criminosos colocaram fogo em um ônibus escolar na madrugada da segunda-feira (4). Na terça-feira (5), um carro de passeio e um caminhão frigorífico foram incendiados enquanto estavam estacionados no bairro Santa Delmira, em Mossoró.

O governo do estado informou que o GGI (Gabinete de Gestão Integrada) e a Sesed (Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Rio Grande do Norte) monitoram a situação e que "as forças de segurança estão integradas, reforçando o policiamento em todo o estado".

A Sejuc (Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania) informou que as forças de segurança mantêm o clima de tranquilidade dentro dos presídios e até agora nenhum movimento suspeito foi registrado.