Topo

Três barragens em MG estão com risco iminente de rompimento

Leo Fontes / O Tempo
25.mar.2019 - Moradores de Barão de Cocais vão treinar rota de fuga às 16h após alerta máximo em barragem Imagem: Leo Fontes / O Tempo

Marcellus Madureira*

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

2019-03-28T03:15:38

28/03/2019 03h15

Três barragens da Vale em Minas Gerais passaram do nível 2 para o nível 3 na noite de ontem. Sirenes de alerta para risco de rompimento tocaram em uma unidade em Macacos, distrito de Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, e em duas na área rural de Ouro Preto.

O fato ocorre dias depois de moradores de Barão de Cocais, a 97 quilômetros de Belo Horizonte, passarem pela mesma situação na última sexta-feira (22).

De acordo com o porta-voz da Defesa Civil, tenente-coronel Flávio Godinho, as sirenes foram acionadas de maneira protocolar, e as pessoas que estavam em zonas de autossalvamento já foram retiradas do local.

Em Nova Lima, 305 moradores foram retirados de casa nos arredores da barragem B3/B4 em 16 de fevereiro; em Ouro Preto, cerca de 75 pessoas foram evacuadas no dia 20 do mesmo mês dos arredores das estruturas de Forquilha I e Forquilha III.

Godinho alerta, porém, que é preciso estar atento para caso alguém tenha retornado e ressaltou que não será necessário retirar moradores de suas casas neste momento.

"O nível 3 permite que essas zonas possam ter tratamento diferenciado, como em Barão de Cocais. Essas pessoas serão treinadas e terão de saber os locais para onde deslocar. Em Honório Bicalho, [a lama] poderia chegar em 1h03. Então temos que treinar essas pessoas. Vamos discutir como serão as ações durante a madrugada", reforçou.

Nos próximos dias, a Defesa Civil deve programar um treinamento para "áreas secundárias" com cerca de cinco mil pessoas.

Sobre as barragens de Ouro Preto, a Defesa Civil tranquilizou a população e informou que a mancha não chega ao centro da cidade, tampouco na área histórica.

UOL.DOC: Medo de rompimento assombra condomínios de luxo

UOL Notícias

*Com informações da Agência Estado.

Mais Cotidiano