PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Pará pede R$ 113 milhões à União para reconstruir ponte atingida por balsa

Balsa bate em pilar e causa desabamento de ponte no rio Moju, no Pará -
Balsa bate em pilar e causa desabamento de ponte no rio Moju, no Pará

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

10/04/2019 11h25Atualizada em 10/04/2019 14h13

O governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), pediu hoje ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) que a União doe ao estado R$ 113 milhões para reconstruir a ponte cujo trecho caiu após ser atingida por uma balsa no último domingo (6).

"Neste momento, nosso ponto central é a reconstrução da ponte, que está estimada em R$ 113 milhões. Fizemos a solicitação destes R$ 113 milhões e afirmei ao presidente que já ajuizamos contra as empresas pedindo o ressarcimento. Se conseguirmos, até porque já está identificado quem deu causa a esse sinistro, não precisamos fazer com que esses recursos públicos sejam utilizados", afirmou.

Segundo o governador, por enquanto, o estado do Pará arcará com as despesas. Bolsonaro pediu que os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia) e Tarcísio Freitas (Infraestrutura) analisem a possibilidade de atender ao pleito.

O impacto da balsa afetou 264 dos 860 metros da extensão da ponte, a terceira de quatro estruturas similares sobre o rio Moju e parte da alça viária do Pará. Esta fica próxima ao trevo do Acará e ajuda a conectar a região metropolitana de Belém ao interior do estado.

Embora o governador tenha pedido R$ 113 milhões ao governo federal, a reconstrução total deve custar R$ 187 milhões, se considerados os serviços de engenharia e de apoio.

Barbalho informou que o governo estadual começou a retirar os escombros hoje e a intenção é começar as obras nos próximos dias. A ideia é que a ponte agora seja estaiada - sustentada também por cabos - a fim de aumentar o vão central para a passagem de barcos no rio.

A engenharia do Exército não deve colaborar com as obras por não ter o costume de lidar com pontes tão altas, explicou Helder Barbalho.

Errata: o texto foi atualizado
A matéria informou incorretamente que o valor pedido pelo governo do Pará seria de R$ 133 milhões. Na verdade, o valor é de R$ 113 milhões. A informação foi corrigida.

Cotidiano