Topo

Técnica de enfermagem é acusada de estuprar paciente com paralisia

Balbina de Almeida, técnica de enfermagem acusada de estuprar paciente de 54 anos - Divulgação/Polícia Civil
Balbina de Almeida, técnica de enfermagem acusada de estuprar paciente de 54 anos Imagem: Divulgação/Polícia Civil

Jéssica Nascimento

Colaboração para o UOL, em Brasília

10/04/2019 19h11

Uma técnica de enfermagem foi presa ontem suspeita de estuprar por dois meses um paciente de 54 anos. De acordo com a Polícia Civil do Distrito Federal, o homem sofre de esclerose lateral amiotrófica (ELA) - doença degenerativa que provoca paralisia e faz com que a vítima consiga apenas piscar os olhos. A mulher nega as acusações.

Quem investiga o caso é a 23ª Delegacia de Polícia, localizada no Setor P Sul, em Ceilândia. De acordo com o delegado-adjunto Maurício Iacozzilli, a vítima conseguiu denunciar os abusos de Balbina de Almeida, 36, após o filho dele, de 18 anos, instalar em casa um equipamento de comunicação que permite a formação de palavras pelo movimento dos olhos.

"A vítima contou que a técnica de enfermagem o beijava na boca, praticava sexo oral nele, o masturbava e também colocava as mãos nas partes íntimas dela. A doença do senhor é tão grave que ele não se movimenta, fica paralisado e claro, não tem ereção", explica o delegado.

Balbina de Almeida trabalhava havia três anos e quatro meses na casa da família da vítima. Ela se formou como técnica de enfermagem em 2012 e não tinha passagens pela polícia. Agora, vai responder pelo crime de estupro de vulnerável e pode pegar até 15 anos de cadeia.

Na delegacia, a suspeita disse que sempre atuou com profissionalismo.

"Ele dizia que gostava de mim. Que eu era o porto seguro dele. Eu cuidava desse senhor há muito tempo. A gente cria um vínculo com o paciente, sabe? Mas eu jamais tentaria algo com ele, ainda mais no estado em que ele se encontra", disse.

Balbina era a técnica de enfermagem noturna e responsável por dar o remédio ao homem para que ele conseguisse dormir. Mas quando uma outra técnica a rendia, percebia que a vítima estava com os sinais vitais alterados.

"Quando a Balbina estava com desejos sexuais, ela não dava esse comprimido pra abusar do senhor. Isso ocasionava problemas de saúde pra ele. Tanto que em depoimento, essa técnica que rendia a suspeita dizia que sempre encontrava o paciente com alterações nos sinais vitais, falta de oxigênio e mudanças na urina", explica o delegado.

Os abusos, segundo a polícia começaram em dezembro do ano passado. O UOL tenta contato com a família do paciente.

Mais Cotidiano