Topo

Professora é detida após filmar ação policial no Instituto Federal de Goiás

A professora Camila Marques, detida após ação da Polícia Civil no IFG - Reprodução/Facebook Sinasefe
A professora Camila Marques, detida após ação da Polícia Civil no IFG Imagem: Reprodução/Facebook Sinasefe

Marcela Leite*

Do UOL, em São Paulo

15/04/2019 20h47

A professora Camila de Souza Silva, do Instituto Federal de Goiás, foi detida e levada para a delegacia hoje depois de filmar uma ação da Polícia Civil no campus de Águas Lindas de Goiás, onde ela trabalha. Camila foi liberada, mas vai responder a um termo circunstanciado por desobediência.

Os policiais chegaram ao instituto às 8h30 de hoje em busca de adolescentes suspeitos de planejar um ataque como o de Suzano (SP). Eles teriam pedido que Camila acompanhasse os jovens à delegacia.

Enquanto os policiais buscavam materiais dos alunos, a professora começou a filmar a ação policial e foi repreendida "porque o direito de imagem dos menores deveria ser respeitado", segundo a polícia.

Depois de Camila se recusar a parar de filmar, de acordo com a polícia, "foi dada a ordem de prisão, ela resistiu e foi usado o emprego da força, precisou ser contida e algemada".

Camila conta uma versão diferente.

Segundo ela, os policiais chegaram ao instituto com uma postura agressiva e não disseram o motivo da ação. Ela quis saber o que estava acontecendo, ouviu quer era sigiloso, e teria, então, começado a filmar a ação.

Foi quando teria sido repreendida por um agente que teria dito que ela não poderia gravar o rosto dele. Por esse motivo, seria presa e teria o celular apreendido.

Camila diz ainda que os carros da Polícia Civil, onde seria transportada, não tinham identificação. Ela pediu para ligar para um advogado.

"Não, você não vai ligar para advogado coisa nenhuma", teria dito o policial.

"Aí já tomou o celular da minha mão, apertou a minha mão, pegou meu celular. Me algemaram na frente dos meninos, um bando de aluno vendo. Me colocaram na viatura, aí eu vim para cá", contou em vídeo publicado na página do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), de onde é coordenadora geral.

"No caminho, falei que queria falar com meu advogado e os caras truculentos pra caramba, falavam para eu calar a boca, que eu ia ser tratada do jeito que eu merecia, que agora eu ia ver"

Camila Marques, professora do Instituto Federal de Goiás

Relato de agressão

Camila diz que não conseguiu falar com o advogado, e os estudantes teriam sido levados para um lugar diferente de onde ela ficou.

Depois de os policiais tomarem seus dados, Camila foi levada ao hospital, e o médico perguntou se ela havia sido vítima de agressão. Ela respondeu que sim, mostrando as mãos.

"Eles começaram a gritar, começaram a intervir que 'isso aí é da algema'", afirma.

O delegado responsável pelo caso, Danilo Nunes, não comentou os relatos de agressão que a professora faz. E diz que o motivo da detenção foi a filmagem de menores de idade.

"Ela insistiu e continuou capturando as imagens até que os agentes lhe deram voz de prisão", afirma o delegado responsável pelo caso, Danilo Nunes. "Se ela tivesse acatado a ordem policial, não precisaríamos ter chegado a isto."

Foi lavrado um termo circunstanciado de ocorrência por desobediência - usado para tipificar infrações de menor potencial ofensivo ou crimes de menor relevância -, que será enviado para o poder judiciário para que seja feita uma audiência de conciliação. Desta forma, ela pode ter alguma pena alternativa, como pagamento de cesta básica.

Em nota, o Instituto Federal de Goiás afirmou que a ação da polícia está relacionada a uma investigação "de grave atentado contra o Campus Águas Lindas, o que colocaria em risco a vida de estudantes e de servidores no decorrer desta semana".

O instituto também saiu "em defesa da integridade física, da liberdade, da pluralidade de pensamento dos professores, dos técnico-administrativos e dos estudantes" e informou que está apurando as denúncias da professora e dos alunos. "A Reitoria do IFG está apurando os fatos relacionados à condução de integrantes da comunidade acadêmica à delegacia, seguida de liberação, e tomará as providências cabíveis no âmbito da administração pública."

*Com informações da Agência Brasil

Cotidiano