Topo

"Traficantes de Jesus": polícia e MPF miram intolerância religiosa do Rio

Sob ameaça, homem arrebenta cordões em meio a templo destruído em 2017 - Reprodução
Sob ameaça, homem arrebenta cordões em meio a templo destruído em 2017 Imagem: Reprodução

Igor Mello

Do UOL, no Rio

15/06/2019 04h00

A Polícia Civil e o MPF (Ministério Público Federal) se articulam para interromper ataques reiterados de quadrilhas de traficantes contra terreiros de religiões de matriz africana localizados em comunidades na Baixada Fluminense e em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro. Na última quinta-feira (13), homens de quatro delegacias deflagraram uma operação para reprimir criminosos que expulsaram um pai de santo em uma favela de Nova Iguaçu, na baixada. O MPF pediu informações a 120 grupos religiosos que atuam nas prisões com autorização da Seap (Secretaria de Administração Penitenciária).

A ação policial ocorreu na comunidade do Buraco do Boi e contou com a participação da Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância), DCOD (Delegacia de Combate às Drogas), Desarme (Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos) e da 58ª DP (Posse, em Nova Iguaçu). Os agentes foram a 22 endereços para levantar informações sobre as ações de intolerância religiosa por parte da quadrilha. Também havia a expectativa de cumprir mandados de prisão contra traficantes, mas ninguém foi preso.

De acordo com fontes ouvidas pelo UOL, a Polícia Civil investiga a denúncia de que os autores dos ataques são traficantes do TCP (Terceiro Comando Puro) convertidos por algumas igrejas evangélicas nas prisões do Rio. Quando esses criminosos deixam o cárcere e voltam para o crime, passam a perseguir sacerdotes e praticantes do candomblé, umbanda e outras religiões de matriz africana. Diante do aumento no número de denúncias, o comando da Polícia Civil teria ordenado uma ação para responder aos ataques.

Mais de 120 terreiros ameaçados, diz deputado

Segundo o deputado estadual Carlos Minc (PSB-RJ), presidente da Comissão de Combate às Discriminações da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), embora já existam relatos desse tipo há vários anos, as ações se intensificaram muito nos últimos meses.

"Agora está completamente fora de controle. São mais de 120 terreiros afetados na Baixada e em São Gonçalo. Criminosos estavam dando 48 horas para dezenas de pais e mães de santo saírem das comunidades deixando tudo para trás", denuncia.

Minc cobra a responsabilização de lideranças religiosas que eventualmente estejam estimulando os ataques de traficantes.

"Não é crime a igreja estar dentro da prisão, nem alguém se converter. Mas precisamos saber quem são os traficantes que estão ordenando esses ataques e quem os converteu. Eles saem da prisão com um duplo boné: de assassino traficante e de fundamentalista religioso. Quem converte essas pessoas obviamente sabe o que estão fazendo e é corresponsável por isso", afirma.

O MPF tem um inquérito civil em curso sobre a intolerância religiosa na Baixada Fluminense. Embora trate de temas diversos --que vão desde isenção fiscal para templos de matriz africana até questões relativas a educação--, o procurador da República Julio José Araujo Junior, responsável pela investigação, diz que a questão de segurança pública acabou se mostrando urgente. Diante disso, ele tem atuado para articular uma reação das polícias Civil e Militar aos ataques.

"Temos que entender se há algum estímulo a esse ódio religioso", diz o procurador.

"Temos feito essa articulação. A Decradi é uma delegacia pequena e com pouco efetivo para lidar com a questão. E isso não está no horizonte das demais delegacias. Nós apontamos essa questão e a necessidade de que isso seja mais bem compreendido. Há essa história de traficantes de Jesus, mas até que ponto isso procede?", contextualiza.

"Por isso estamos fazendo todo o esforço para que se entenda que isso não será tolerado", afirma o procurador. "Estou abrindo diálogo com os batalhões. Eu me reuni com o Batalhão de Duque de Caxias nesta quinta-feira e me surpreendi que eles nem sabiam dessa história [de ataques a terreiros na cidade]."

O procurador pediu informações para 120 grupos religiosos que atuam dentro das prisões do Rio com a evangelização de detentos. Embora haja representantes da Igreja Católica na lista, ela engloba principalmente igrejas evangélicas.

"Percebemos claramente que há um predomínio muito grande de igrejas evangélicas. Isso não é um mal em si, mas esperamos que isso não seja um privilégio, ou que haja algum constrangimento às religiões de matriz africana", diz.

Mais Cotidiano