Mais informação com menos tempo de leitura
Topo

Homens fazem velório para mico e se comovem com despedida da mãe do animal

Daniel Leite

Colaboração para o UOL, em Juiz de Fora

17/09/2019 00h12

Um filhote de mico que estava sendo "velado" em Belo Horizonte mereceu um último carinho de uma macaca que tinha tentado salvá-lo. A cena comoveu quem assistia ao que parecia ser uma despedida dela ao macaquinho ou uma tentativa de reanimá-lo. A imagem foi registrada no último dia 10, mas fez sucesso nas redes sociais nesta segunda-feira (16).

A atitude de velar o bichinho foi organizada por um funcionário de uma das funerárias existentes no entorno do Instituto Médico Legal, no bairro Nova Gameleira. A solenidade contou com vela, caixão feito de papelão, coroa de flores e até salgadinho e crucifixo.

O macaquinho era transportado pela macaca, que parece ser sua mãe, nas costas, no alto das árvores da região, e chegou a cair quatro vezes, até que não sobreviveu. Ele era pequeno, cabia na palma da mão. "Ele caiu quatro vezes e, na última, não resistiu, veio a óbito. Ele já estava bastante debilitado", conta Wesley Eustáquio de Medeiros, responsável por resgatar o mico e organizar o velório, contando com doações de alguns apetrechos feitas por amigos que trabalham perto.

A solenidade aconteceu na calçada do IML e várias pessoas pararam para ver, num clima de descontração e espanto. Na coroa de flores havia a frase "Eternas saudades de seus familiares e colaboradores do IML de Belo Horizonte".

Durante os preparativos, a macaca se aproximou por três vezes do filhote, que estava numa pequena caixa de folha sulfite, mas logo saía, assustada.

Ao acenderem as velas e darem início ao velório com um cântico religioso, as pessoas viram a macaca se aproximando por mais duas vezes. Ela, então, colocou as patas sobre a cabeça do filhote para surpresa dos presentes. "Ela desceu o outro filhote com o pai e desceu pra tentar pegar ele", afirmou Wesley.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi escrito no primeiro parágrafo do texto, dia 16 de setembro foi segunda-feira, e não terça-feira. O erro foi corrigido.

Mais Cotidiano