Topo

Duas vezes tragédia: Tio de Ághata foi vítima de bala perdida há cinco anos

Daniela Félix, 24, tia de Ághata, morta no Rio, perdeu o marido após bala perdida há 5 anos - Lola Ferreira, Colaboração para o UOL
Daniela Félix, 24, tia de Ághata, morta no Rio, perdeu o marido após bala perdida há 5 anos Imagem: Lola Ferreira, Colaboração para o UOL

Lola Ferreira

Colaboração para o UOL, no Rio

23/09/2019 19h21Atualizada em 23/09/2019 20h15

Em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro hoje à noite, Daniela Félix, 24, protesta contra a morte da sobrinha Ágatha, 8, vítima de um tiro de fuzil nas costas no Complexo do Alemão no último fim de semana. A família afirma que os tiros partiram de policiais militares, e a corporação nega.

Para Daniela, esta não é a primeira vez que este pesadelo lhe afeta.

Na noite de 27 de maio de 2014, o mototaxista Caio Moraes da Silva, 20, foi atingido por bala perdida, no peito, também no Alemão, enquanto protestava contra outra morte na comunidade. Caio era marido de Daniela, com quem tinha um filho, na época com um ano.

Na ocasião, a UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) Nova Brasília afirmou que os tiros partiram de dentro da comunidade, mas testemunhas afirmaram que os tiros partiram de policiais que acompanhavam o protesto. De acordo com Daniela, o exame da balística já comprovou que o projétil saiu da arma de um policial militar.

O caso continua correndo na Justiça, e enquanto isso Daniela tenta explicar ao filho mais velho, agora com seis anos, o que aconteceu com a prima Ághata.

"Eu não queria contar, mas um amiguinho um pouco mais velho contou e eu tive que explicar", afirma.

'Não quero que Papai do céu me leve'

Daniela conta que a conversa foi difícil, principalmente pela reação dos filhos que, segundo ela, têm medo da polícia pelo histórico familiar.

"Como vai ficar a cabeça do meu filho quando ele ver os policiais? Eu não consigo explicar nem pra mim, não consigo entender nem pra mim, como vou explicar?", resume.

Ela diz que a reação de seu filho mais novo, fruto do seu relacionamento após a morte de Caio, a surpreendeu.

O garoto de três anos, segundo seu relato, fez um pedido:

"Eu não quero ir pro céu. A Ághata nem estudou muito, nem virou adulta. Por que aconteceu isso com ela? Não quero que Papai do Céu me leve".

Apesar da dor, Daniela diz ter esperanças de conseguir provar, no caso de Ágatha, que a polícia foi responsável pela morte.

"Tenho esperanças de que seja diferente. Meu irmão e minha cunhada ainda não têm condições de estar aqui, mas eles vão se reerguer e vir a público. Minha cunhada estava com ela, sabe o que aconteceu, e ela vai lutar. Não vai trazer ela de volta, mas ter um culpado talvez conforte um pouco o coração dela".

'Se Witzel lamenta morte, não pode dizer que política de segurança está certa'

Daniela também questionou as declarações do governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), que, com os olhos vermelhos e a voz embargada, lamentou a morte da criança, mas defendeu a política de segurança pública de sua equipe.

"Se quase chorou, ele não podia dizer que uma política de segurança dessa está certa. Se ele sentisse o que a gente está sentindo, ele iria dizer que tem algo errado e iria mudar alguma coisa ali", diz Daniela.

Mais cedo, Witzel comparou a garota morta a seus filhos.

"Meu sentimento é de pai. Olhando a minha filha, você acha que eu não choro? Eu olho para eles [os filhos] e penso que aquela mãe não vai ter a filha deitada na cama. Você acha que eu não penso isso? Eu não sou desalmado, sou uma pessoa de sentimentos", afirmou o governador.

Poucos segundos depois, a voz se restabeleceu, e Witzel complementou: "Mas não é porque temos um fato terrível desse que vamos parar o estado. E não podemos parar. É evidente que não tem [relação com a política de seguranca]. Foi um fato isolado".

Daniela também criticou a política de "guerra às drogas" do Rio de Janeiro.

"Na 'guerra às drogas' em Copacabana não morre ninguém, na 'guerra às drogas' da Zona Sul não morre ninguém. Mas dentro da favela eles [policiais] entram para atirar falando que é 'guerra às drogas'. Eu moro ali no Alemão há 24 anos e nunca vi nada mudar com pacificação. Muito pelo contrário, só piorou", diz Daniela.

Cotidiano