Topo

Polícia apreende estatuto do Comando Vermelho e prende 17 em operação no RJ

Operação Cadeia S/A buscava cumprir 46 mandados de prisão. No entanto, 26 foram cumpridos, com 17 prisões - REGINALDO PIMENTA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO
Operação Cadeia S/A buscava cumprir 46 mandados de prisão. No entanto, 26 foram cumpridos, com 17 prisões Imagem: REGINALDO PIMENTA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio

08/10/2019 08h58Atualizada em 08/10/2019 16h03

A Polícia Civil do Rio prendeu na manhã de hoje 17 suspeitos de envolvimento com o tráfico de drogas, casos de latrocínio e roubo de carga e veículos, em seis cidades do estado. Outros nove mandados também foram cumpridos nesta manhã, contra bandidos que já estavam detidos. Eles são acusados de coordenar e ordenar os crimes de dentro da cadeia.

Entre o material apreendido, policiais localizaram o estatuto do Comando Vermelho (CV). Feito a mão e com caneta azul, o documento enumera os objetivos e deveres da facção:

"Combater a opressão, lutar pelo progresso e liberdade (...) Nosso lema é de paz, justiça e liberdade, e significa que apesar de todos as lutas também somos de paz, porém jamais fugiremos da guerra quando ela se fizer necessária."

As folhas de papel também enumeram punições para integrantes que cometerem falhas. Elas são classificadas em leves, médias e graves. Esta última prevê o afastamento definitivo do integrante da facção.

Além do documento encontrado em uma cela no presídio de Gericinó, em Bangu, na zona oeste da cidade, foram apreendidos celulares e R$ 2.600 em espécie.

A operação Cadeia S/A buscava cumprir 46 mandados de prisão. No entanto, 26 foram cumpridos. As ações ocorreram no bairro Jardim Catarina, em São Gonçalo e nos municípios de Campos dos Goytacazes, Macaé, Nova Friburgo, Rio Bonito e Maricá.

De acordo com o delegado Márcio Mendonça, as investigações duraram um ano, e por meio delas foi possível descobrir que os bandidos presos coordenavam a ação nas ruas.

"Criminosos de dentro da cadeia mandavam roubar carro, clonar placas e falsificar documentos. Depois disso, os veículos eram vendidos no site OLX. Com essa venda, eles financiavam a compra de armas e drogas."

Mendonça afirmou ainda que tudo indica que um funcionário do Detran está envolvido com o caso, mas ele não foi identificado nas investigações. Os roubos aconteciam principalmente na região de Jacarepaguá, na zona oeste da cidade.

De acordo ainda com ele, outro braço da quadrilha era responsável pelo roubo de carga.

"A carga era destinada a comerciantes e o valor cobrado era de 30% da nota fiscal para quem buscasse a mercadoria na favela e de 50% para eles entregarem a mercadoria."

As investigações apontaram ainda que o grupo era responsável por homicídios e roubo e venda de celulares que financiavam a compra de munições para a facção.

Equipe encurralada

De acordo ainda com o delegado, durante a operação desta manhã, uma equipe da Polícia Civil que tentava cumprir um dos mandados no bairro Jardim Catarina, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio, foi recebida a tiros.

"Duas equipes foram encurraladas. Diversas equipes se deslocaram para poder apoiá-los [os policiais]. Com a chegada de efetivo maior, a situação foi controlada. Nós acreditamos que o mandado não foi cumprido, justamente devido ao tempo que se perdeu na chegada da residência, por conta da ação dos criminosos. Eles ganharam tempo para que o alvo fugisse."

Mais Cotidiano