Topo

O que se sabe sobre o desabamento de prédio em Fortaleza

Veja como foi o desabamento do prédio em Fortaleza

UOL Notícias

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

15/10/2019 15h56Atualizada em 15/10/2019 19h14

As razões para o desabamento de um prédio de sete andares na manhã de hoje em Fortaleza ainda serão investigadas. Nove foram resgatadas com vida. Ainda são buscadas outras nove sob os encombros.

Afinal, o que se sabe até agora sobre o caso?

Onde ficava o prédio?

O edifício Andrea ficava na rua Tibúrcio Cavalcante, nº 24, no bairro Dionísio Torres, uma região nobre na zona norte de Fortaleza. No bairro fica a sede da Assembleia Legislativa do Ceará, além de hospitais, colégios e faculdades.

O prédio antes do desabamento - Google Street View
O prédio antes do desabamento
Imagem: Google Street View

Quantas vítimas?

Até o momento, o Corpo de Bombeiros resgatou nove pessoas dos escombros, todas atendidas pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

Algumas vítimas mais graves estão sendo encaminhadas para o IJF (Instituto Doutor José Frota), no centro. Outra parte foi levada para hospitais particulares.

Quantas pessoas aguardam resgate?

Ainda segundo os bombeiros, outras nove pessoas podem estar presas sob os escombros, segundo afirmou o coronel Cleyton Bezerra, chefe da operação dos bombeiros.

Quanto tempo vai durar o resgate?

"Todo esse trabalho tem tudo para durar alguns dias, existem muitas camadas onde é possível haver pessoas", explicou o tenente Romário, assessor dos bombeiros do Ceará. As primeiras 24 horas não terão uso de maquinário pesado, para evitar novos colapsos da estrutura. Cães treinados ajudam nas buscas.

Quais as causas do desabamento?

A Defesa Civil ainda investiga as razões. Por meio de um grupo de WhatsApp, moradores do prédio divulgaram um vídeo que teria sido filmado na noite anterior ao desabamento.

A estrutura de concreto teria sido quebrada para uma reforma que, segundo os moradores, era irregular. Com a intervenção, é possível ver as ferragens da coluna à mostra.

O presidente da Academia Cearense de Engenharia, Victor Frota Pinto, afirmou que a principal suspeita é o rompimento de pilastras que sustentavam o edifício. "Os escombros estão uns em cima dos outros. Ele caiu inteiramente na vertical, e isso é um indicativo de problemas de estrutura de pilastra rompendo. Isso faz com que ele caia com essa natureza", disse o engenheiro.

Segundo Pinto, imagens feitas por moradores antes da tragédia mostram que as pilastras do prédio tinham problemas estruturais. "As fotografias que estão surgindo mostram exatamente as pilastras com as ferragens expostas. Presume-se que foi isso" diz.

Após o desabamento do prédio, o Ministério Público do Ceará informou que uma força-tarefa formada por promotores das áreas do meio ambiente, cidadania e de políticas urbanas e fundiárias vai elaborar um levantamento da situação de outros edifícios que estejam em situação irregular, com risco à população.

"O objetivo é acionar as autoridades competentes e prevenir ocorrências dessa natureza", informou o órgão.

Cotidiano