PUBLICIDADE
Topo

Mulher é acusada de atropelar e matar jovem após fugir de blitz no RJ

Jonathan Lima da Silva morre após ser atropelado por mulher que tentava fugir de blitz - Arquivo pessoal
Jonathan Lima da Silva morre após ser atropelado por mulher que tentava fugir de blitz Imagem: Arquivo pessoal

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio

28/10/2019 12h03

A Justiça do Rio de Janeiro decretou ontem a prisão temporária de Karla Vasconcelos de Almeida, 41, acusada de atropelar e matar um jovem de 24 anos na última sexta-feira (25) ao fugir de uma blitz da Lei Seca pela contramão. O caso ocorreu na Estrada do Catonho, em Sulacap, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Jonathan Lima da Silva estava em uma moto quando foi atingido pelo carro da mulher que deixou o local sem prestar socorro. Ele chegou a ser socorrido ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, na zona oeste, mas não resistiu.

A motorista foi abordada metros a frente do local do acidente por outros motociclistas que presenciaram o fato e a entregaram para os agentes da Lei Seca.

Karla foi levada para a Delegacia de Campo Grande, que atua como central de flagrante na madrugada. No local, foi constatado embriaguez e os agentes da Lei Seca informaram em depoimento que ela foi contida por populares e impedida de fugir. A motorista foi indiciada por homicídio culposo (sem intenção de matar) e liberada após o pagamento de fiança de R$ 1 mil.

Posteriormente, o caso foi encaminhado para a delegacia da região (33ªDP-Realengo), em que recebeu nova interpretação. O delegado Reginaldo Guilherme indiciou a mulher por homicídio culposo, com dolo eventual - que ocorre quando há intenção de matar. Para isso, ele levou em consideração que a mulher dirigia sob efeito de álcool, em alta velocidade e na contramão.

"Ela assumiu inúmeros riscos. Estava embriagada, na contramão em uma via de grande fluxo, e ainda atropelou o rapaz. São várias testemunhas no caso. A prisão é necessária e é uma questão de bom senso", disse Reginaldo.

A prisão temporária, que tem o prazo de 30 dias, foi solicitada e atendida pelo Plantão Judiciário. Ontem mesmo, equipes da Polícia Civil estiveram nas ruas à procura da mulher. Ela não foi encontrada em um nenhum dos seus endereços e por isso já é considerada foragida.

Marido é policial militar

A Polícia Civil também investiga se o marido de Karla, um sargento da PM, estaria no carro no momento do acidente, já que testemunhas relataram que a motorista estava acompanhada na noite do acidente. Durante as buscas realizadas, o policial também não foi encontrado

Procurada, a PM ainda não se manifestou sobre o caso. Não há informações se o sargento apareceu para trabalhar.

Gritos de "Justiça" no enterro

O motociclista Jonathan Lima da Silva foi enterrado, na tarde de ontem, no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap. O velório do rapaz foi marcado por gritos de "Justiça" e por homenagens de familiares e amigos da vítima que era torcedor do Flamengo.

Cotidiano