PUBLICIDADE
Topo

Tio de vítima de Paraisópolis afirma que foi impedido de ver corpo no IML

Luara Victoria de Oliveira, uma das vítimas de Paraisópolis, em foto de sua rede social - Reprodução
Luara Victoria de Oliveira, uma das vítimas de Paraisópolis, em foto de sua rede social Imagem: Reprodução

Marcelo Oliveira

Do UOL, em São Paulo

02/12/2019 21h12

O comerciário Vagner dos Santos Oliveira, 55, afirma que foi impedido, no IML Central, de ver o corpo de sua sobrinha, Luara Victoria de Oliveira, 18, uma das nove mortas após ação da Polícia Militar realizada na favela de Paraisópolis com o intuito de dispersar o Baile da DZ7, festa funk que ocorria no local.

Vagner e sua filha foram ao IML reconhecer o corpo de Luara a pedido da família. Ao chegar ao local, foram chamados para a sala onde estava o corpo, que estava coberto por um tecido.

"O corpo estava coberto. Podíamos ver apenas o rosto e os pés. Quando minha filha foi puxar esse tecido para ver o corpo da prima, a impediram, dizendo que o corpo não havia sido desinfetado", disse Vagner.

"Ficamos sem reação e não tinha como contestar. Naquele momento, fragilizado, você aceita de tudo", disse o tio da vítima, enterrada na tarde desta segunda-feira (2), no Cemitério de Campo Grande em São Paulo.

"Se ela tinha outras lesões nós não tivemos condições de ver", afirmou o tio de Luara. Quanto ao rosto, Oliveira conta que o maxilar estava de lado e o pescoço "num ângulo diferente". O rosto dela também tinha marcas que pareciam com tapas, afirma o parente da vítima.

Segundo Oliveira, ele e a filha não tiveram outra chance de estar junto ao corpo e o tempo todo havia funcionários do IML, "com distintivos de policial".

De acordo com Vagner, a sobrinha, que morava em Interlagos (zona sul de São Paulo), era frequentadora do baile em Paraisópolis.

"O jovem de hoje não é o de ontem. Não cabe a nós julgarmos".

O comerciário defendeu que o Estado ou a prefeitura deveriam criar locais próprios para os pancadões. "Deixe a molecada se divertir. No (parque) Villa-Lobos chamam a polícia quando reclamam da molecada que anda de patins? Não, né?".

Vídeo mostra agressões de PM em Paraisópolis

UOL Notícias

Cotidiano