PUBLICIDADE
Topo

Falta de opção? Jovens cruzam SP e vão a bailes de favela por preferência

Baile funk DZ7 na comunidade de Paraisópolis, zona sul de São Paulo, com o "paredão" em carro - 07.dez.2019 - José Barbosa/Futura Press/Estadão Conteúdo
Baile funk DZ7 na comunidade de Paraisópolis, zona sul de São Paulo, com o "paredão" em carro
Imagem: 07.dez.2019 - José Barbosa/Futura Press/Estadão Conteúdo

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

10/12/2019 04h01Atualizada em 10/12/2019 21h03

Resumo da notícia

  • Com outras opções disponíveis, jovens de SP preferem ir a bailes funk em favelas
  • Os 9 mortos após ação da polícia no baile da DZ7 não moravam em Paraisópolis
  • Para jornalista ex-morador de Paraisópolis, é preciso criar alternativas contra o barulho

O baile funk é uma realidade em São Paulo. No centro expandido, é a batida de casas noturnas e de festas universitárias. Na periferia, o ritmo é escutado em bares, bailes de rua e nos carros.

Mesmo com outras opções culturais que começaram a surgir fora do centro expandido da cidade, muitos jovens preferem o baile funk. Alguns, inclusive, atravessam a cidade, passando pelo centro —de ônibus, metrô e trem—, para chegar até um baile de favela.

Foi o caso dos nove jovens mortos após uma ação de policiais militares dentro da favela de Paraisópolis, onde o baile da DZ7, um dos principais de São Paulo, ocorria na madrugada de 1º de dezembro. Nenhum deles vivia na segunda maior favela da capital paulista. Uma semana depois, o baile voltou a ocorrer.

O vendedor de produtos de limpeza Mateus dos Santos Costa, 23, uma das nove vítimas fatais, morava em Carapicuíba, a 26 quilômetros de Paraisópolis, e cruzava a cidade para ir a bailes da zona sul, leste e norte. Ele costumava relatar violência policial corriqueira no fim dos bailes, mas ia ainda assim porque era onde mais se divertia. Ele foi enterrado na Bahia, seu estado natal.

Baile DZ7, em Paraisópolis, zona sul de São paulo, no primeiro sábado pós-massacre - 07.dez.2019 - Marlene Bergamo/Folhapress
Baile DZ7, em Paraisópolis, zona sul de São paulo, no primeiro sábado pós-massacre
Imagem: 07.dez.2019 - Marlene Bergamo/Folhapress

De Guainazes a Paraisópolis

Jorge Felisberto, 21, morador de Guaianazes, a 40 quilômetros de Paraisópolis, e metalúrgico de uma empresa de automóveis que fica em São Bernardo no ABC, só não foi ao baile da DZ7 aquele dia porque não conseguiu carona. "Na hora que não consegui colar, até fiquei triste. Depois, percebi que foi livramento. Era para eu estar lá me divertindo, igual eles", afirma.

"Vou sempre nos bailes aqui na leste. Tem uns bons em São Miguel, numas vilas de Itaquera, aqui em Guaianazes, e uns bem grandes na Cidade Tiradentes. Mas já teve vez que os bailes daqui tavam miados [com pouca gente] e fomos para a DZ7, por exemplo", acrescenta.

O analista de suporte e morador de Interlagos, na zona sul, Matheus Azevedo, 24, afirma que prefere ir a bailes de favela, comparado a festas do centro expandido, porque fica mais à vontade com o público.

Prefiro ir num baile do que um rolê no centro, porque o público é melhor. Todo mundo fala que em todo lugar tem droga, mas eu prefiro mil vezes colar na favela porque é o ambiente que estou acostumado. Com os 'playboys' é diferente: aquela sensação de não pertencer àquele lugar".

Frequentador do baile funk DZ7, em Paraisópolis, protesta uma semana após mortes  - 07.dez.2019 - José Barbosa/Futura Press/Estadão Conteúdo
Frequentador do baile funk DZ7, em Paraisópolis, protesta uma semana após mortes
Imagem: 07.dez.2019 - José Barbosa/Futura Press/Estadão Conteúdo

Azevedo relata estar acostumado a ir em diferentes bailes de favela na cidade. Entre eles, os bailes da Marconi, na Vila Maria, zona norte; DZ7, em Paraisópolis; Vila Natal; baile da 15, das Gêmeas, do Ipiranga e da ZR, no Grajaú, todos na zona sul. "Para colar na zona norte, fui de trem, metrô e uma parte de busão e caminhada", explica.

Rafael de Oliveira: "Nos tratam como lixos" - Arquivo pessoal
Rafael de Oliveira: "Nos tratam como lixos"
Imagem: Arquivo pessoal

Apesar de ir a bailes funk com frequência, ele afirma gostar de rap, rock e reggae, além de punk. O que, segundo ele, desmistifica o estereótipo de que funkeiros têm cultura inferior aos demais jovens que não gostam do ritmo.

O operador de caixa Rafael Souza de Oliveira, 26, morador de Embu Guaçu, acrescenta: "Mal sabem que tem muitos de nós que rala muito na semana ou no mês todo para podermos tirar um lazer no rolê de rua, sem prejudicar ninguém".

Apesar de ir a bailes funk de rua, Oliveira diz preferir estar em locais fechados. "Na rua não somos respeitados. Policiais e muitos seres humanos nos tratam como lixos e um risco", afirma.

"Criar alternativas"

Vagner de Alencar, 32, doutorando em educação pela PUC-SP, é jornalista, ex-morador de Paraisópolis e autor do livro "Cidade do Paraíso", que narra elementos da rotina da favela. Para ele, é necessário entender as dificuldades enfrentadas pelos moradores por causa do baile, mas também é necessário criar alternativas para que a cultura não seja reprimida.

"Minha relação com o funk é dicotômica. O que pega, até hoje, é a questão do barulho, da bagunça que fica depois. Paraisópolis é gigante. Se fosse num lugar um pouco mais afastado, na borda de Paraisópolis, não sei, dá para pensar em alternativas. Hoje, é bem no coração de Paraisópolis", diz.

Vagner de Alencar, jornalista e escritor do livro "Cidade do Paraíso" - Anderson Meneses/Agência Mural
Vagner de Alencar, jornalista e escritor do livro "Cidade do Paraíso"
Imagem: Anderson Meneses/Agência Mural

"Muita gente passou a se mudar por causa dos barulhos: não só do funk, mas do forró, de construções, de boteco, mas também do funk. É o reflexo de ter tanta gente em um lugar. Os bailes nunca vão acabar. O que pega é a tentativa de recriminar com bomba, de acabar mesmo", complementa o escritor.

Ainda segundo ele, sempre houve opções culturais em Paraisópolis, seja no CEU (Centro Educacional Unificado) ou em saraus, por exemplo. "Mas o funk é o que atrai, é o ritmo do momento, é o som que todo mundo quer ouvir. Em vez de estarmos debatendo soluções para isso, vemos bombas com mortes de jovens", afirma.

Devemos pensar mais em soluções e parar de recriminar vítimas. Há polo cultural. A galera se identifica, não tem como cortar ou jogar bombas contra isso. Pensando que incomoda muita gente, a gente tem que criar alternativas.
Vagner Alencar, jornalista e escritor

Vídeo mostra correria e PM jogando bombas e Paraisópolis

UOL Notícias
Errata: o texto foi atualizado
O nome do bairro de Guainazes foi escrito de maneira equivocada em uma versão anterior do texto, que já foi corrigido

Cotidiano