PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Polícia apura denúncia de PMs entregando barril de chope a milicianos no RJ

PM apura suposta entrega de barril de chope a milicianos por policiais de 18º BPM (Jacarepaguá) - Reprodução
PM apura suposta entrega de barril de chope a milicianos por policiais de 18º BPM (Jacarepaguá) Imagem: Reprodução

Igor Mello

Do UOL, no Rio

10/01/2020 13h14

A Polícia Militar do Rio de Janeiro vai apurar uma denúncia de que PMs de serviço teriam usado uma viatura da corporação para entregar um barril de chope a milicianos na comunidade do Rio das Pedras, zona oeste da cidade. A área é dominada pelo Escritório do Crime, grupo paramilitar investigado pela morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

As fotos do flagrante foram divulgadas por um perfil no Twitter que compartilha imagens e informações sobre o cotidiano das comunidades cariocas, sobretudo no que diz respeito à violência. Nas fotos, é possível ver uma viatura do 18º BPM (Jacarepaguá) —batalhão responsável pelo patrulhamento da comunidade— parada em frente a um estabelecimento comercial. A porta do motorista é aberta e um homem pega o recipiente. Em outra imagem, é possível ver um policial voltando à viatura pela porta do carona.

O perfil oficial da Polícia Militar no Twitter afirmou que o comando do 18º BPM foi procurado para prestar esclarecimentos a respeito do flagrante.

"Já entramos em contato com o comando do 18º BPM para esclarecer as circunstâncias destas imagens. A corporação não compactua com qualquer desvio de conduta, apura com rigor e senso de justiça todas as denúncias que chegam ao nosso conhecimento", disse a corporação.

O Rio das Pedras é considerado o berço das milícias no Rio. A área é controlada há décadas por paramilitares. Hoje, a cúpula da quadrilha é composta por PMs e ex-policiais, conforme mostrou a Operação Intocáveis, deflagrada pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio) em janeiro de 2019.

O chefe do Escritório do Crime é o ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, o Capitão Adriano, que está foragido. Ele também é investigado por envolvimento com o suposto esquema de rachadinha no gabinete do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), quando era deputado estadual.

Adriano é amigo de Fabrício Queiroz, pivô do escândalo, e teve a mãe e a ex-mulher empregadas por anos no gabinete de Flávio. Segundo o MP-RJ, as duas eram funcionárias fantasmas e repassavam parte dos vencimentos para o esquema. Segundo as investigações, Queiroz chegou a usar duas empresas ligadas ao miliciano para lavar parte dos recursos da rachadinha.

Flávio Bolsonaro e Queiroz negam irregularidades.

Apesar de defender rigor nesses casos, dados obtidos pelo UOL por meio da LAI (Lei de Acesso à Informação) mostram que apenas 81 PMs foram expulsos da corporação por envolvimento com grupos paramilitares entre 2008 e 2018.

A PM justifica o número pelo fato de que o crime de milícia só foi tipificado em 2012 e diz que outros policiais foram excluídos por crimes conexos à atividade como milicianos, mas não forneceu novos números para embasar a afirmação.

Só 3% dos confrontos policiais são em áreas de milícia

Na última segunda-feira (6), o UOL revelou, com base em levantamento inédito, que apenas 3% dos tiroteios envolvendo as forças de segurança no Rio ocorrem em áreas controladas por milicianos. Embora esses grupos paramilitares já controlem mais de 40% do território da cidade, seus domínios foram palco de apenas 88 confrontos com envolvimento das polícias Militar, Civil ou das Forças Armadas.

O levantamento mapeou, com base em dados do Laboratório de Dados sobre Violência Armada Fogo Cruzado, 2959 tiroteios ocorridos na cidade do Rio entre 5 de julho de 2016 e 30 de setembro de 2019. Os dados revelam que a política de confronto sustentada pelas forças de segurança do Rio —tendo à frente a Polícia Militar— mira as comunidades dominadas pelo tráfico de drogas —onde ocorreram 2333 dos 2959 tiroteios.

O foco é sobretudo o Comando Vermelho, maior e mais antiga facção de traficantes do Rio. Cerca de 56% das trocas de tiros ocorreram nas favelas controladas pela quadrilha.

A análise dos dados, documentos e depoimentos de autoridades mostra que o fato de áreas de milícia não serem palco de confrontos não é uma coincidência, mas fruto de leniência com grupos paramilitares —que são auxiliados pela ação policial na conquista de novos territórios.

Cotidiano