PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
6 meses
Ministério identifica água contaminada em processo de cervejaria Backer

23.mai.2014 - A Cervejaria Backer está sendo investigada por uma de suas cervejas (Belorizontina) causar a intoxicação de ao menos 17 pessoas; o registro acima é referente ao evento South Beer Cup, no dia 23 de maio de 2014 - Erwin Oliveira - 23.mai.2014/Framephoto/Estadão Conteúdo
23.mai.2014 - A Cervejaria Backer está sendo investigada por uma de suas cervejas (Belorizontina) causar a intoxicação de ao menos 17 pessoas; o registro acima é referente ao evento South Beer Cup, no dia 23 de maio de 2014 Imagem: Erwin Oliveira - 23.mai.2014/Framephoto/Estadão Conteúdo

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

15/01/2020 16h55Atualizada em 15/01/2020 19h32

Resumo da notícia

  • Governo federal afirmou que contaminação com substância dietilenoglicol ocorreu na fábrica, mas diz ainda não saber a causa
  • Entre as hipóteses apontadas estão: sabotagem, vazamento ou uso indevido
  • Duas pessoas morreram por causa da contaminação pela substância presente na cerveja Belorizontina.
  • Fabricante da bebida, a Backer nega o uso do dietilenoglicol

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento identificou que a água utilizada no processo de produção da cervejaria Backer estava contaminada com a substância dietilenoglicol. A pasta confirmou que a contaminação aconteceu dentro da fábrica, mas não consegue apontar a causa. Entre as hipóteses estão: sabotagem, vazamento ou uso indevido.

Duas pessoas morreram de síndrome nefroneural, em decorrência da contaminação pela substância que estava presente na cerveja Belorizontina. Um terceiro caso está sob investigação. O uso de dietilenoglicol é proibido em alimentos.

O ministério fez inspeções na fábrica e determinou o recolhimento de todos os produtos feitos naquela fábrica que estão à venda no mercado e interditou a cervejaria.

Segundo o diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal, Glauco Bertoldo, e pelo coordenador-geral de Vinhos e Bebidas, Carlos Vitor Müller, foi identificado que a água usada para resfriar a cerveja durante a produção estava contaminada. Essa água era reutilizada para produção de cerveja.

Nessa parte do processo, o mosto (parte da produção da cerveja em que há mistura da água com malte triturado) precisa ser resfriado. Em um compartimento, passa o produto e em outro, a água gelada. Em seguida, a cerveja fica fria e a água, quente, a qual é reutilizada para produção do mosto.

Os técnicos da pasta ainda não identificaram em qual momento do processo a água foi contaminada. Como a água utilizada em toda a fábrica fica em apenas um tanque, o ministério justificou o fechamento da fábrica toda. Foram apreendidos de 139 mil litros de cerveja engarrafados e 8,480 litros de chope.

Segundo a apresentação do trabalho feito pelo ministério, em dois anos a cervejaria adquiriu 15 toneladas de monoetilenoglicol (que pode interagir quimicamente e resultar em dietilenoglicol). Não foi apresentado um parâmetro de consumo, mas o ministério considera uma aquisição incomum.

A investigação aponta que os controles de produção demonstram que os lotes já detectados como contaminados passaram por distintos tanques, afastando a possibilidade de ser um evento relacionado a um lote ou um tanque específico.

A empresa Backer nega o uso do dietilenoglicol, mas confirma o uso da substância monoetilenoglicol durante o processo produtivo.

Errata: o texto foi atualizado
A primeira versão da matéria descreveu incorretamente uma das partes do processo de produção da cerveja. A informação foi corrigida.

Cotidiano