PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Esse conteúdo é antigo

Homem é preso suspeito de estuprar a filha de 12 anos em MG

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Daniela Mallmann

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

29/02/2020 15h59Atualizada em 29/02/2020 19h14

Um homem de 35 anos foi preso em Minas Gerais sob suspeita de estuprar a filha de 12 anos, anteontem, na cidade de Conselheiro Pena (a 410 km de Belo Horizonte).

Segundo a polícia, o suspeito afirmou que estava hospedado na casa da ex-sogra para resolver alguns problemas pessoais. Ele mora na região metropolitana da capital mineira e teria dito que queria ficar mais próximo da filha, que atualmente vive com a mãe em Conselheiro Pena.

De acordo com a delegada Izabella Menegassi Dutra, responsável pela investigação, a menina e o pai dormiam na mesma cama na casa da avó materna na noite de quinta-feira. "Durante a madrugada, a adolescente acordou assustada, despida, e foi procurar abrigo no quarto da avó. Naquele momento, não falou nada para ninguém", afirmou a policial.

Na manhã de sexta-feira (28), a menina foi para a escola onde relatou o ocorrido para uma colega. As duas, então, procuraram a mãe da adolescente e contaram o que havia acontecido. Foi quando a mãe, segundo a delegada, entrou em contato com a polícia.

Com a denúncia, as equipes das polícias Civil e Militar localizaram e prenderam o pai da menina. "Foi constatado que havia indícios do cometimento do crime, por isso o flagrante foi ratificado e a prisão do suspeito foi convertida para preventiva", afirmou a delegada

Segundo a policial, novas oitivas e também perícias serão feitas nos próximos dias. O pai da menina, que, de acordo com a polícia, já foi condenado e cumpriu pena por homicídio, deve responder por estupro de vulnerável. Até o momento a defesa do suspeito não se manifestou.

À polícia ele disse que acusação é uma invenção da mãe da menina para incriminá-lo, já ele iria levar a adolescente para a casa dele Grande BH. Mas, segundo a delegada, essas informações não batem com o depoimento da mãe e da filha.

Cotidiano