PUBLICIDADE
Topo

Sem ação do governo, Alemão cria gabinete de crise com funk contra corona

Ação do gabinete de crise do Alemão contra coronavírus - Divulgação/Coletivo Papo Reto
Ação do gabinete de crise do Alemão contra coronavírus Imagem: Divulgação/Coletivo Papo Reto

Maria Luisa de Melo

Colaboração para o UOL, no Rio

21/03/2020 04h00

O Complexo do Alemão, uma das maiores favelas do Rio, ganhou esta semana um gabinete de crise contra o coronavírus. Organizado por moradores —que apontam a ausência de orientações do poder público voltadas à realidade da comunidade—, o grupo promoveu uma campanha nas redes sociais para levantar fundos para a compra de água, sabão e álcool em gel.

A partir da ação do gabinete, recomendações de prevenção já ganharam as ruas e vielas por meio de folhetos explicativos sobre a covid-19, faixas e até mesmo um funk composto pelo Coletivo Papo Reto que toca em caixas de som instaladas em postes —as chamadas rádio-poste (rádios comunitárias).

"Tá ligado no coronavírus? Deixa eu te passar a visão. Essa doença triste que afetou nosso mundão. Vamos ter consciência e fazer toda a prevenção para nossa comunidade. Lave as mãos frequentemente, com água e sabão. Evite sair de casa para não ter aglomeração", diz o funk.

Como alguns pontos da favela estão há mais de um mês sem água, esta tornou-se uma das prioridades. "Se a orientação principal é lavar as mãos com água e sabão e as pessoas não têm água, elas ficam muito vulneráveis. É nisso que a gente precisa agir", diz Camila dos Santos, uma das organizadoras do gabinete.

Com a arrecadação, o grupo pretende comprar água mineral e distribuir entre os mais afetados, sobretudo os que vivem na localidade batizada de Escadão. "Em dinheiro evita aglomeração, mas podemos combinar a entrega das garrafas aqui no Alemão", pede Camila.

As primeiras doações foram empregadas na confecção de faixas, e a mensagem já surte efeito. "Já estamos notando o resultado da nossa campanha. Começamos pelo Twitter e com as faixas. Só com isso as nossas duas principais avenidas já estão bem esvaziadas", diz a moradora.

Mãe de três filhos, ela cumpre isolamento social com os pequenos. Diz que a atuação governamental para a prevenção do coronavírus na favela é inexistente. "Desconhecemos a atuação da prefeitura aqui. Se eles estão fazendo alguma coisa, está muito oculto", criticou. "Mas a gente está se organizando para não sermos prejudicados."

Moradores do Alemão distribuem folhetos de prevenção contra o coronavírus - Divulgação/Coletivo Papo Reto
Moradores do Alemão distribuem folhetos de prevenção contra o coronavírus
Imagem: Divulgação/Coletivo Papo Reto

Para Thainã de Medeiros, um dos integrantes do Coletivo Papo Reto, as favelas deveriam ser o foco de atenção do poder público, sobretudo neste momento, tamanha a vulnerabilidade das construções.

"Muitas casas não têm ventilação praticamente nenhuma, porque é uma colada na outra. Só tem porta, não tem janela. Estamos recomendando às pessoas para ficarem no cômodo mais ventilado de casa. Mas há casos muito complicados", alerta o morador.

A reportagem do UOL procurou a prefeitura ante as críticas de ausência de ações de prevenção no complexo de favelas. A prefeitura informou que as unidades de atenção primária intensificaram as orientações para a população atendida nas comunidades, com o objetivo de tentar conter a transmissão do coronavírus.

"As equipes da Estratégia Saúde da Família orientam para que as pessoas evitem sair de casa, se possível, e detalham a correta higienização pessoal e do ambiente. O agentes comunitários de saúde informam sobre o uso do cloro e água sanitária para a limpeza de superfícies, alertam a população para não compartilhar talheres e utensílios de uso pessoal", diz a prefeitura por meio de nota.

A Secretaria Estadual de Saúde também foi procurada, mas ainda não se manifestou.

Cotidiano