PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
4 meses
#SCNãoQuerMorrer: atos pelo fim do isolamento geram protestos nos estados

25.mar.2020 - SC foi o 1º estado a decretar situação de emergência em razão do coronavírus - EDUARDO VALENTE/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
25.mar.2020 - SC foi o 1º estado a decretar situação de emergência em razão do coronavírus Imagem: EDUARDO VALENTE/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

Herculano Barreto Filho

UOL, no Rio

27/03/2020 16h30

Estimulados pelo discurso oficial do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), carreatas e buzinaços ocorreram ontem e hoje em diversos estados do Brasil pleiteando a reabertura de estabelecimentos comerciais e o fim da quarentena adotados para combater a disseminação da covid-19, causada pelo novo coronavírus no país. Além das manifestações já sediadas em cidades como São Paulo (SP), Florianópolis (SC), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), novos atos estão marcados para o final de semana.

Em Santa Catarina, houve carreta para comemorar a retomada parcial do comércio e de atividades não essenciais no estado, anunciada na quinta-feira (26) pelo governador Carlos Moisés (PSL). Horas depois, moradores de Balneário Camboriú saíram às ruas em carreata. Em Florianópolis, também houve buzinaço em apoio à decisão.

A medida, que prevê a reabertura do comércio a partir da próxima quarta-feira (1º), também inspirou a criação da hashtag #SCNãoQuerMorrer, um dos assuntos de ontem (27) no Twitter. Santa Catarina foi o primeiro estado brasileiro a decretar situação de emergência, com comércio fechado desde 18 de março.

Gean Loureiro (DEM), prefeito de Florianópolis, acrescentou um novo ingrediente à polêmica ao decretar, ontem (27) à tarde, mais sete dias de quarentena a partir da próxima quarta-feira (1º). A medida, que prorroga o isolamento até 8 de abril, proíbe o funcionamento de restaurantes, shoppings, academias, cinemas e bares.

Eduardo Leite (PSDB), governador do Rio Grande do Sul, criticou a decisão do governo catarinense em entrevista ontem (27) à Rádio Gaúcha. "Não vi nenhum embasamento científico para isso. É prematura a decisão", defendeu.

Internautas criticaram o alinhamento entre o governo estadual de Santa Catarina e o posicionamento de Jair Bolsonaro. Com mais de 120 mil seguidores, Lola Aronovich, professora universitária, escritora e feminista, fez críticas na rede social, impulsionando a hashtag contrária à medida. Nos tuítes, ela questiona a decisão.

A vereadora Carla Ayres (PT-SC) também usou a hashtag para atacar a decisão do governo estadual.

Moradora de Florianópolis, Maria Cristina Zani questionou a decisão. "Algumas pessoas estão achando que está tudo bem, é um absurdo", tuitou.

Já Rodrigo Titericz, procurador jurídico da FCDL/SC (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Santa Catarina), entidade que representa 44 mil empresários de pequeno e médio porte, defendeu a decisão, em entrevista ao UOL.

"A restrição total do comércio, num primeiro momento, foi uma medida acertada. É claro que apoiamos o isolamento em meio a problemas decorrentes da covid-19. Mas precisamos achar um equilíbrio, para garantir a retomada da atividade econômica", argumenta.

O médico Luis Fernando Funchal, coordenador da ortopedia do Hospital Baía Sul e chefe do departamento médico do clube de futebol Avaí, também apoia a iniciativa.

"Já houve uma organização de estrutura governamental para lidar com a pandemia. As estruturas hospitalares estão preparadas para lidar com o problema, com alas reservadas e profissionais preparados. Também é preciso retomar a economia", avalia.

Segundo o último boletim divulgado pelo governo estadual, são 149 casos confirmados de covid-19 em Santa Catarina, com uma morte.

Carreatas nos estados rendem protestos nas redes

Também foram registradas carreatas em Curitiba (PR), em Porto Alegre (RS) e em Jundiaí (SC).

Em Curitiba (PR), houve reações aos carros de luxo que participaram da carreata:

Em Porto Alegre (RS), moradores reagiram à passagem dos carros nas ruas:

Cotidiano