PUBLICIDADE
Topo

Outdoor usa meme do caixão para pedir que pessoas fiquem em casa em MG

Outdoor foi colocado em Poços de Caldas, Minas Gerais - Daniel Leite/UOL
Outdoor foi colocado em Poços de Caldas, Minas Gerais Imagem: Daniel Leite/UOL

Daniel Leite

Colaboração para o UOL, em Juiz de Fora

09/04/2020 22h04

Um meme que viralizou nos últimos dias foi a saída encontrada por uma empresa mineira para chamar a atenção das pessoas para o isolamento e, de quebra, fazer uma propaganda do negócio. Em Poços de Caldas, a 453km de Belo Horizonte, foram instalados três outdoors mostrando os rapazes que ficaram famosos nas redes sociais por carregarem um caixão enquanto dançam.

A cena foi utilizada em várias montagens mostrando pessoas em perigo de vida, dando a entender que também seriam levadas por eles. Nas montagens, a cena é cortada em um ponto de tensão, quando entram os dançarinos de caixão ao som de "Astronomia 2K19", do DJ Stephan F.

No município de Minas Gerais, os painéis mostram quatro deles e trazem a mensagem: "Fique em casa ou dance com a gente". A empresa de comunicação visual instalou os outdoors, de 9 metros de comprimento por 3 metros de altura, em três das principais avenidas da cidade, nas zonas leste, sul e oeste.

A gerente comercial contou ao UOL que a ideia surgiu após ter visto algo similar, mas falso, no Instagram. "A mensagem é de incentivo para que as pessoas se cuidem, melhorem os seus hábitos, fiquem em casa", disse Carolini Araújo.

Poços de Caldas, cidade de 167 mil habitantes, tem três casos confirmados da covid-19, segundo a secretaria estadual de saúde. Carolini disse que tentou aliviar um pouco o clima pesado das últimas semanas com tantas notícias de pessoas infectadas e mortes. "É uma maneira leve e engraçada, não pesada como as notícias", opina.

Além de ajudar na divulgação do aviso sobre a importância do isolamento, ela sabe que, assim, dará publicidade ao próprio negócio.

"A gente queria dar visibilidade para o nosso produto, para os empresários virarem de novo os olhos para a divulgação e terem isso em mente quando forem retomar os seus negócios", afirmou.

A intenção é manter os painéis com referência ao meme do caixão até a semana que vem, quando deverão ser substituídos por peças de outros clientes.

Para uma especialista ouvida pelo UOL, esse tipo de publicidade funciona em alguns casos. "Se a empresa já tem esse costume de fazer publicidade criativa, instigante, que provoque discussão, tem o seu mérito. A empresa já tem esse posicionamento e está tentando instigar a criatividade de alguma forma", diz a jornalista e produtora de conteúdo Carla Ramalho, mestre em Mídia e Processos Sociais pela Universidade Federal de Juiz de Fora e doutoranda em Discursos Midiáticos e Práticas Sociais pela Universidade Federal Fluminense.

Nos painéis do meme do caixão, a empresa é o próprio produto do painel, e futuros clientes que aprovem esse tipo de anúncio vão optar por ela. "A venda está implícita", conclui Carla.

Ela ressalta, no entanto, a necessidade de ter cuidado com o uso de imagens e vídeos virais, e colocar na balança a gravidade do momento frente à doença, avaliando se o humor pode amenizar essa seriedade.

A secretaria de comunicação da prefeitura aprovou a ideia. "A prefeitura apoia qualquer iniciativa que venha a contribuir para este momento tão delicado que o mundo todo está passando, principalmente iniciativas como esta que viralizam e rapidamente se espalham pelas redes sociais. É mais uma forma de alertar a população e preservar a saúde e a vida das pessoas", afirmou Paulo Ney, assessor de comunicação.

Ontem, o governo municipal anunciou novas medidas para a população poder enfrentar o novo coronavírus. Segundo o site oficial, não serão cobrados juros e multas referentes ao pagamento em cota única, primeira e segunda parcelas do IPTU.

Desde o mês passado, a cidade está sob o decreto de calamidade pública, podendo funcionar apenas serviços essenciais, delivery, entrega no balcão somente para os estabelecimentos de alimentos e feiras livres com medidas rígidas de distanciamento e higiene.

Coronavírus