PUBLICIDADE
Topo

Segurança pública

"Grudou no meu pescoço", diz homem que ficou desacordado após ação policial

Do UOL, em São Paulo

22/06/2020 10h08

O homem que aparece desacordado em um vídeo que circulou neste fim de semana reclamou, em declaração à GloboNews, da abordagem dos policiais no caso ocorrido na comunidade de Jardim Ariston, localizada na cidade de Carapicuíba, região metropolitana de São Paulo.

A agressão ocorreu depois que dois homens que estavam em uma moto foram abordados por policiais militares do 33º Batalhão de Polícia Militar, localizado na região onde ocorreu a abordagem. De acordo com a nota da SSP (Secretaria da Segurança Pública), a dupla teria desobedecido a ordem de parada e colidido com a moto em uma viatura. O homem agredido dirigia a moto.

Em sua versão, o homem identificado pela GloboNews como Gabriel, de 19 anos, contou que o policial foi violento na abordagem. Segundo a emissora, ele alegou ter desmaiado por pelo menos três vezes durante o procedimento.

"Aí o policial jogou na minha frente com tudo. Assim que ele jogou na minha frente com tudo, eu parei. Só que a moto não segurou o freio, ela foi um pouco pra frente. Aí como ele já estava à frente da minha moto, a gente bateu. Como eu pulei da moto, a moto caiu pra cá e eu pulei para lá, ele achou que eu ia correr. Nisso que ele achou que eu ia correr, ele já grudou no meu pescoço", disse.

Em entrevista à CNN Brasil, Gabriel afirma que foi acusado de tentar empreender fuga. Ele diz que avisou o policial que não conseguia respirar, mas foi ignorado:

"Falava que não era bandido, não era criminoso, que não precisava ele fazer aquilo. Falava que não conseguia respirar, ele falava 'cala a boca aqui é polícia militar', a todo momento ele falava isso."

Ele conta que já havia ouvido relatos de abordagens violentas da polícia no Jardim Ariston, mas nunca tinha passado por algo assim.

Gabriel diz que está com medo e tem pesadelos com o ocorrido: "Espero que isso acabe logo, porque eu não quero mais ter esses pesadelos que estou tendo. Tenho medo agora."

Vídeo mostra ação

carapicuíba - Reprodução - Reprodução
Em um primeiro momento, o PM aplica um mata-leão em um homem na cidade de Carapicuíba (SP)
Imagem: Reprodução

A ação foi gravada em vídeo por testemunhas. Em um primeiro momento, um PM aplica um mata-leão (golpe de estrangulamento) em um dos homens, vestido de camisa listrada e bermuda branca. Ele parece ir desacordado ao chão.

Enquanto isso acontece, o outro homem abordado é xingado pelos policiais militares.

No segundo momento, o mesmo PM está de capacete e se ajoelha sobre o peito do homem, que começa a se debater.

A cena se assemelha às circunstâncias da morte de George Floyd, homem afro-americano morto após uma abordagem policial na cidade de Minneapolis. O homicídio gerou uma onda de protestos nos Estados Unidos e em outros países contra o racismo e a violência policial.

Análise da conduta

Também em declaração para a GloboNews, o porta-voz da PM, capitão Osmario Ferreira, falou sobre os casos de violência envolvendo a polícia do estado.

"A Polícia Militar busca a todo tempo sempre analisar seus procedimentos. Nos casos foram instaurados procedimentos administrativos para que se analise as condutas dos policiais, para ver se realmente procedimentos operacionais padrão foram adotados desde o início da ocorrência", disse.

"Todas as ocorrências são analisadas primeiro por inquérito policial militar e depois remetidas à justiça. Não cabe neste momento dizer o que aconteceu em relação a cada fato. A Polícia Militar é legalista, ela nunca deixou de cortar a sua própria carne, temos mais de 73 mil atendimentos diários. Então, o aumento de ocorrências são analisados, são realizadas reuniões diárias para analisar procedimento operacional padrão e isso é uma constante na polícia militar. Se caso houver qualquer falha, ela pune rigorosamente", completou.

Segurança pública