PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses
Sobe para 10 o número de mortos por "ciclone bomba" no RS e em SC

Hygino Vasconcellos

Colaboração para o UOL, em Porto Alegre

01/07/2020 11h28Atualizada em 01/07/2020 21h13

O "ciclone bomba" registrado ontem na região sul do Brasil provocou dez mortes, sendo nove em Santa Catarina e um no Rio Grande do Sul. Os dados foram divulgados na manhã de hoje pela Defesa Civil dos estados. Até ontem, eram quatro mortos, sendo três em solo catarinense.

Ao menos uma pessoa está desaparecida em Brusque (SC). O fenômeno ainda provocou queda de árvores, destelhamentos e gerou falta de luz nos dois estados.

Em Santa Catarina, a Defesa Civil confirmou mortes em Tijucas (três), Chapecó, Santo Amaro da Imperatriz, Governador Celso Ramos, Ilhota, Itaiópolis e Rio dos Cedros (um em cada).

Um dos mortos em Tijucas não resistiu após ser atingido por uma estrutura não especificada. A queda de árvore matou uma idosa em 78 anos em Chapecó, enquanto um homem perdeu a vida depois de ser atingido por fios de alta tensão em Santo Amaro do Imperatriz. Os outros casos não foram detalhados.

No Rio Grande do Sul, a única vítima fatal foi um homem de 53 anos que morreu ontem após ser soterrado em um deslizamento de terra em Nova Prata, na Serra. Na manhã de hoje, boletim da Defesa Civil salientou que "não podemos afirmar que o deslizamento se deu em decorrência da chuva, mas sabemos que essa condição climática favorece a instabilidade do solo", disse em nota. O órgão aguarda o resultado da perícia para confirmar a morte em decorrência do ciclone.

Cerca de 639 mil pessoas estão sem luz no estado, de acordo com a RGE (Rio Grande Energia) e a CEEE (Companhia Estadual de Energia Elétrica), responsáveis pelo fornecimento. Na área da RGE, são 129 mil atingidos, com Erechim sendo a cidade mais afetada. Já na área da CCEE, 510 mil estão sem energia elétrica, com 190 mil no litoral norte.

A Defesa Civil do Rio Grande do Sul informou que 16 cidades do estado foram atingidas pelo ciclone. No total, 1.035 pessoas estão desalojadas, sendo que a maior parte se concentra em duas cidades: Vacaria (com 520 atingidos) e Ibiaçá (400). Ambos os municípios ficam na região norte do estado. Em Sebastião do Caí, 73 pessoas foram levadas para o ginásio municipal ainda na madrugada de hoje.

A Celesc (Centrais Elétricas de Santa Catarina) informou que 750 mil moradias seguem sem luz na manhã de hoje. Ontem, o número chegou a 1,5 milhão. A companhia espera que 80% do sistema seja reestabelecido até o fim do dia, mas explicou que alguns locais podem ter o problema prolongado pela dificuldade para retirar os materiais que atingiram a rede elétrica. Segundo a concessionária, esse foi o maior dano da história da rede elétrica estadual.

Mais de mil bombeiros estão trabalhando para atender os casos em Santa Catarina, em especial as quedas de árvores e placas. Já foram atendidas por volta de 1.600 ocorrências até a manhã de hoje.

Rajadas podem chegar a 130 km/h hoje

O "ciclone bomba", que causou estragos e mortes ontem, deve continuar a provocar forte ventania na região Sul hoje. As rajadas de vento podem chegar a 130 km/h em algumas cidades do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, de acordo com a MetSul Meteorologia.

Assim como ontem, há possibilidade de queda de árvores, postes, destelhamentos e colapso de estruturas hoje. O fenômeno deve começar a perder força no Sul a partir desta tarde.

Cotidiano