PUBLICIDADE
Topo

Sábado com quarentena frouxa tem bares cheios em SP e praia agitada no Rio

Movimentação de clientes no Seu Domingos, bar localizado na esquina das ruas Aspicuelta e Fidalga, na Vila Madalena (SP) - Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo
Movimentação de clientes no Seu Domingos, bar localizado na esquina das ruas Aspicuelta e Fidalga, na Vila Madalena (SP) Imagem: Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo

Anaís Motta

Do UOL, em São Paulo

11/07/2020 21h30Atualizada em 11/07/2020 21h30

O primeiro sábado da nova etapa de flexibilização da quarentena em São Paulo teve bares e restaurantes cheios, especialmente na Vila Madalena, região boêmia na zona oeste da capital paulista. Já no Rio de Janeiro, o que se viu foram orlas e praias movimentadas — mesmo com as recentes restrições impostas pelo prefeito Marcelo Crivella (Republicanos-RJ).

Em São Paulo, segundo as regras desta fase de afrouxamento, os bares e restaurantes podem funcionar com 40% de sua ocupação máxima e apenas entre 11h e 17h. Mesas na calçada estão proibidas, e os clientes só podem consumir alimentos e bebidas dentro dos estabelecimentos se todos estiverem sentados.

Bar na Vila Madalena 3 - Daniel Teixera/Estadão Conteúdo - Daniel Teixera/Estadão Conteúdo
Movimentação no bar Seu Domingos, na esquina das ruas Aspicuelta e Fidalga, na Vila Madalena
Imagem: Daniel Teixera/Estadão Conteúdo

Os funcionários são obrigados a usar máscara e face shield (protetor facial). Os clientes — em teoria — também deveriam usar máscara nos momentos em que não estão bebendo ou comendo.

Bar na Vila Madalena 2 - Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo - Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo
O tradicional O Pasquim, bar na esquina das ruas Aspicuelta e Fradique Coutinho, na Vila Madalena
Imagem: Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo

Um decreto assinado pelo governador João Doria (PSDB) no fim do mês passado estabelece multa de R$ 524,59 para quem não usar máscara em espaços públicos. Mesmo assim, muitas pessoas ainda são flagradas sem o EPI (equipamento de proteção individual).

Avenida Brasil - Patrícia Borges/AM Press & Images/Estadão Conteúdo - Patrícia Borges/AM Press & Images/Estadão Conteúdo
Mesmo com alertas, pessoas foram vistas sem máscara na Av. Brasil, zona sul de São Paulo
Imagem: Patrícia Borges/AM Press & Images/Estadão Conteúdo

Já no transporte público, onde a obrigatoriedade da máscara está em vigor há mais tempo, desde o fim de abril, o problema maior são as aglomerações — mesmo aos sábados.

Estação da Luz - Bruno Escolastico/Photopress/Estadão Conteúdo - Bruno Escolastico/Photopress/Estadão Conteúdo
Movimentação de passageiros na estação Luz da CPTM, no centro de São Paulo
Imagem: Bruno Escolastico/Photopress/Estadão Conteúdo

Segundo último balanço do Ministério da Saúde, o estado de São Paulo tem 366.890 casos confirmados de covid-19, além de 17.702 mortes. Sozinha, a capital paulista registra pouco mais de 41% desses infectados (151.365) e 46% dos mortos (8.176).

Dia de sol, praia agitada

Praia de Ipanema 2 - Wilton Junior/Estadão Conteúdo - Wilton Junior/Estadão Conteúdo
Cariocas se exercitam na orla da Praia de Ipanema, na zona sul do Rio de Janeiro
Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

Com temperaturas próximas a 30 ºC, as restrições anunciadas pela prefeitura do Rio de Janeiro não impediram a intensa movimentação de pessoas registrada nas orlas e nas praias cariocas.

Há dois dias, Crivella anunciou que o acesso normal às praias só seria liberado após a descoberta da vacina contra o novo coronavírus — o que, segundo ele, poderá acontecer no verão. O prefeito alertou ainda que as pessoas flagradas na areia sem máscara seriam multadas em R$ 107.

O risco de autuação, porém, não foi suficiente para coibir o exercício no calçadão. Em Ipanema, na zona sul da capital fluminense, muita gente aproveitou o dia de sol para caminhar ou andar de bicicleta.

Praia de Ipanema - Wilton Junior/Estadão Conteúdo - Wilton Junior/Estadão Conteúdo
Cariocas aproveitaram a temperaturas beirando os 30 ºC para passear no calçadão
Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

As restrições quanto à permanência na areia e no mar também pouco surtiram efeito. Em tese, segundo determinação da prefeitura, apenas a prática de esportes individuais está liberada.

Praia do Leme - Ellan Lustosa/Código19/Estadão Conteúdo - Ellan Lustosa/Código19/Estadão Conteúdo
Intensa movimentação de banhistas na Praia do Leme, na zona sul do Rio de Janeiro
Imagem: Ellan Lustosa/Código19/Estadão Conteúdo

Para evitar aglomerações e exigir o uso de máscaras, a Guarda Municipal do Rio realizou a operação Blitz da Vida. Ao todo, 81 agentes atuaram em parceria com a Polícia Militar para fiscalizar as praias da zona sul carioca.

Agentes da prefeitura do RJ - Wilton Junior/Estadão Conteúdo - Wilton Junior/Estadão Conteúdo
Agentes da prefeitura tiveram que agir para retirar banhistas que insistiam em permanecer na areia
Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

O estado do Rio, de acordo com o Ministério da Saúde, registra 129.675 casos confirmados e 11.406 mortes por covid-19. A capital fluminense responde por quase metade desses infectados (64.102) e 64% dos óbitos (7.302).

Coronavírus