PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês
Naja: Polícia indicia jovem picado e diz que ele traficava cobras há 3 anos

Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, de 22 anos, foi picado por uma cobra naja - Arquivo pessoal
Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, de 22 anos, foi picado por uma cobra naja Imagem: Arquivo pessoal

Do UOL, em São Paulo

13/08/2020 10h17Atualizada em 13/08/2020 13h29

O estudante de medicina veterinária Pedro Henrique Krambeck, picado por uma cobra naja no dia 7 de julho, traficava animais silvestres desde 2017, concluiu a investigação da Polícia Civil do Distrito Federal.

O jovem de 22 anos será indiciado por tráfico de animais silvestres e por maus-tratos pelo número correspondente de cobras relacionadas a ele: 23. Além disso, Pedro responderá por associação criminosa e exercício ilegal da profissão.

Em entrevista realizada na manhã de hoje, o delegado Willian Andrade ainda confirmou o indiciamento de outras 11 pessoas, entre elas a mãe e o padrasto de Pedro Henrique.

Segundo informações da Polícia Civil, o jovem "comprava serpentes de outros estados, criava em cativeiro, montado na própria residência, e vendia os filhotes por R$ 500 a interessados".

Pedro Henrique foi preso temporariamente no dia 29 julho pela Polícia Civil do Distrito Federal por suspeita de integrar um esquema para a prática de crimes ambientais, como tráfico de animais. Ele foi liberado dois dias depois.

O suspeito ficou hospitalizado por mais de uma semana após ser picado pela naja e chegou a entrar em coma após o incidente. Como a cobra não é natural do Brasil, só existia uma dose de soro antiofídico no país para tratar a picada. O medicamento teve que ser enviado para o estudante do Instituto Butantan, em São Paulo.

Originária da África e da Ásia, a naja é uma das cobras mais venenosas do mundo.

Cotidiano