PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês
Sobe para 16 o número de mortos por afogamento em SP no feriado

Movimento de banhistas em praia de Santos, em São Paulo, em meio à pandemia de covid-19 - Marcela Mattos/O Fotográfico/Estadão Conteúdo
Movimento de banhistas em praia de Santos, em São Paulo, em meio à pandemia de covid-19 Imagem: Marcela Mattos/O Fotográfico/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

08/09/2020 08h11Atualizada em 08/09/2020 12h22

Subiu para 16 o número de mortos por afogamento em São Paulo no feriado de 7 de setembro (Independência do Brasil), depois de o Corpo de Bombeiros encontrar o corpo de uma pessoa que estava desaparecida em Mongaguá, no litoral sul.

Mais cedo, também foi confirmada a morte de uma mulher de 44 anos, localizada na represa de Jurumirim, em Avaré, no interior do estado. Outras duas pessoas seguem desaparecidas, ambas em Itanhaém, no litoral sul.

Das outras 14 mortes por afogamento, seis aconteceram na Região Metropolitana e no interior (duas na Represa Billings, uma em Juquitiba, uma em Bragança Paulista, uma em Guararema e uma em Sorocaba); três em Mongaguá, três no Guarujá, no litoral sul; e uma em Bertioga, outra em Ubatuba, no litoral norte.

Os mortos de Guararema e Sorocaba eram homens e tinham 64 e 18 anos, respectivamente. No Guarujá, as vítimas dos três afogamentos, que aconteceram na Praia da Enseada, também eram do sexo masculino: um de 60 anos, de Cerqueira César; um de 27, de Várzea Paulista; e outro de 24, de Sumaré, no interior de São Paulo.

As vítimas de Bertioga e Ubatuba tinham menos de 30 anos: na primeira, foi um jovem de Mogi das Cruzes, na Região Metropolitana, de 22; na segunda, na Praia do Félix, foi um homem de 25.

Os jovens que seguem desaparecidos em Itanhaém são da capital e têm 21 e 18 anos. As demais vítimas não tiveram sua idade divulgada. Em todo o estado, foram realizados 380 salvamentos durante o feriado, ainda de acordo com os bombeiros.

As praias ficaram lotadas neste feriado prolongado, mesmo em meio à pandemia do coronavírus. Mais de 200 mil veículos desceram a serra para o litoral de São Paulo, número maior do que o registrado em 2019.

Cotidiano