PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Menina de 9 anos cola cartazes com mensagens positivas pelas ruas do Rio

Por iniciativa própria, Malu Grossi elaborou cartazes até em outros idiomas; orgulhosa, mãe ajudou a colar mensagens - Acervo pessoal
Por iniciativa própria, Malu Grossi elaborou cartazes até em outros idiomas; orgulhosa, mãe ajudou a colar mensagens Imagem: Acervo pessoal

Tatiana Campbell

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

24/11/2020 14h32

Em meio ao distanciamento social causado pela pandemia do novo coronavírus e a tantos ataques gratuitos de ódio, uma menina de 9 anos decidiu mudar um pouco a situação e começou a colar cartazes em postes espalhados pelas ruas do Rio de Janeiro.

Maria Luiza Grossi resolveu escrever nos papéis frases como "trate os outros como você gostaria de ser tratado", "ajudar o próximo é um ato de grandeza, mas você tem que se ajudar primeiro" e "tenha compaixão e empatia".

Os cartazes já foram colados em postes na região de Copacabana, na zona sul da cidade. Ao UOL, Malu, como é carinhosamente chamada pela mãe, disse que agora quer expandir o projeto e pedir a ajuda dos colegas da escola.

"Eu não tinha muito o que fazer, tinha dias que só ficava vendo televisão e via todo mundo brigando, estava muita confusão. Aí foi assim que eu comecei a fazer isso, para tentar animar, melhorar um pouco. Eu cheguei a colocar os cartazes em um plástico por causa da chuva, mas agora eu vou fazer de outro jeito, porque eles podem cair no bueiro e poluir", disse Maria Luiza.

Malu Grossi pinta cartazes - Acervo pessoal - Acervo pessoal
Malu Grossi quer ajuda de colegas de escola para produzir e espalhar mais cartazes
Imagem: Acervo pessoal

"Agora estou fazendo uma campanha na escola. Quando eu for para a escola eu vou unir todo mundo para fazer uma campanha para todos fazerem cartazes que fica mais fácil", finalizou a menina.

A mãe, Flávia Leite, 43 anos, disse que a filha ainda teve a ideia de escrever as mensagens em outras línguas para poder atingir mais pessoas.

"Muito orgulho dela. Eu cheguei em casa do trabalho um dia e ela estava pintando no meu quarto e falou 'mãe, eu tive uma ideia, vou fazer esses cartazes aqui, você me ajuda a colar?'. Eu peguei o cartaz para ler e ela ainda deu a ideia de fazer em outras línguas para que mais pessoas entendam. Ela foi sozinha no Google Tradutor, o inglês ela já sabia, aí colocou em espanhol e em francês", disse Flávia.

"É emocionante. A única coisa que fiz com ela foi na rua colar. Foi muito legal ver a atitude, ela quem planejou tudo. Ela ainda me disse que se uma pessoa parasse para ler, já estava bom. O objetivo final está sendo alcançado e muitas pessoas estão vendo", acrescentou.

Cotidiano