PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Acidente em Taguaí: 'Estamos desesperados', diz tia de passageiro do ônibus

Camila Fernandes

Colaboração para o UOL, em Avaré (SP)

25/11/2020 18h33

Parentes das vítimas do acidente que aconteceu na manhã de hoje na Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho (SP-249), no interior de São Paulo, foram até o IML (Instituto Médico Legal) de Avaré em busca de informações. Ainda não foi divulgada uma lista com os nomes dos mortos. A informação oficial, até por volta das 18h, é que nove das 41 pessoas que morreram foram identificadas.

O acidente ocorreu logo cedo no km 172 da rodovia, no interior de São Paulo. O ônibus transportava os funcionários de uma empresa têxtil de Itaí e Taquarituba para Taguaí. Pelo menos 41 pessoas morreram.

Luciane Isabel Soares é tia de um jovem de 19 anos que também estava no ônibus. "Já procuramos por todos os hospitais da região e não temos notícias do meu sobrinho", afirmou. "Viemos aqui ver se o nome dele está na lista das vítimas. Estamos desesperados, ele foi pai recentemente e não merece partir agora."

José Antônio Vieira conta que a irmã, de 28 anos, estava no ônibus. Ela trabalha na empresa têxtil há dois anos. "Estou aqui há mais de três horas e não consegui nenhuma informação", disse.

Angustiado, Cristiano Cardoso procura pela esposa, que trabalha há seis anos na mesma empresa. "É quase certo que ela infelizmente se foi, mas queremos saber notícias, ver a lista e fazer o reconhecimento do corpo", disse.

O investigador Eduardo Kodo, da Polícia Civil, tem uma lista com nomes de 52 pessoas, que, de acordo com ele, foi emitida pela Assistência Social da Prefeitura de Avaré. "Estou conversando com os familiares, que podem vir até aqui conferir se o parente está na lista", afirma. "A partir daí, precisam aguardar pelo reconhecimento e liberação dos corpos."

Região do IML de Avaré foi isolada após acidente na região - Camila Fernandes/UOL - Camila Fernandes/UOL
Força-tarefa deve ajudar no reconhecimento dos corpos, após acidente em rodovia
Imagem: Camila Fernandes/UOL

Mais cedo, a Secretaria de Comunicação do governo de São Paulo informou ao UOL que montou uma força-tarefa para identificar e liberar os corpos das vítimas do acidente. A SSP (Secretaria da Segurança Pública) acionou os IMLs (Institutos Médico Legal) das cidades Avaré, Botucatu e Itapetininga, para "atender ao grande número de óbitos o mais rápido possível".

Maior acidente do ano

A Polícia Militar trata o acidente como o maior do ano, de acordo com o tenente Alexandre Guedes. "É a maior ocorrência de acidente fatal nas rodovias neste ano", disse à GloboNews. De acordo com ele ele, a primeira hipótese é mesmo de que uma ultrapassagem poderia ter causado o acidente, mas as investigações ainda estão em estágio inicial.

O Corpo de Bombeiros de Piraju recebeu o primeiro chamado para atender a ocorrência às 6h45. O DER (Departamento de Estradas e Rodagem) informou que esse foi o primeiro acidente fatal no trecho da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho entre Taguaí e Taquarituba em dez anos.

Mapa mostra localização onde ônibus e caminhão bateram, com mais de 40 mortes - Arte/UOL - Arte/UOL
Mapa mostra localização onde ônibus e caminhão bateram, com mais de 40 mortes
Imagem: Arte/UOL

Empresa diz que ônibus era contratado por funcionários

Advogado da Stattus Jeans Indústria e Comércio Ltda, Emerson Fernandes afirmou ao UOL que o ônibus era uma espécie de "lotação" contratada pelos próprios funcionários.

"É importante dizer que o ônibus não tinha ligação com a empresa, era tipo uma terceirizada contratada pelos funcionários, como se fosse uma lotação para vir para o trabalho em Taguaí", disse Fernandes.

O advogado informou que a empresa já teve alguns ônibus que buscavam os trabalhadores, mas que, há algum tempo, deixou de fornecer este serviço e os funcionários foram atrás de contratar uma empresa para transportá-los para o trabalho.

Procurados, representantes da Star Turismo, responsável pelo ônibus, não quiseram se pronunciar.

A Prefeitura de Itaí disponibilizou três ginásios poliesportivos do município fazer o velório coletivo das vítimas —40 vítimas moravam na cidade.

Cotidiano