PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
8 meses

Casal tirou foto horas antes de acidente de ônibus que matou 19 no Paraná

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Florianópolis

25/01/2021 18h11Atualizada em 25/01/2021 22h31

A família do vendedor Antônio Carlos Teixeira Lima, de 41 anos, procurou desesperada por informações do seu paradeiro. Ele estava no ônibus que tombou e matou 19 pessoas na manhã de hoje, na BR-376, em Guaratuba, no Paraná.

Antônio embarcou na sexta-feira (22) em Belém com destino a Joinville (SC), ao lado da mulher, Geovana Cristina Serra, de 23 anos, e os dois filhos, um garoto de 14 anos e uma bebê de 7 meses. Todos morreram no acidente.

Parentes contaram ao UOL que Antônio e o restante da família fizeram o último contato ontem, quando o vendedor enviou uma foto com a cabeça escorada no ombro de Geovana, dentro do mesmo ônibus que tombou.

Antonio e esposa Geovana estavam no ônibus que tombou na BR-376 - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Antonio e esposa Geovana estavam no ônibus que tombou na BR-376
Imagem: Arquivo Pessoal

De acordo com os parentes, Antônio morava em Belém e planejava se mudar para Santa Catarina em busca de oportunidades melhores de emprego. A família desceria em Balneário Camboriú e de lá seguiria de carro para Joinville, onde um irmão do vendedor reside.

"Ele se mantinha com a minha avó quando estava solteiro, mas, depois que casou, pensou em ir para Santa Catarina porque buscavam uma vida melhor para a família. Ligamos no telefone, mas não atendeu e não viu o WhatsApp hoje de manhã. Estamos muito preocupados porque não sabemos se estão bem ou não", contou Gabriel Lima, sobrinho de Antônio, antes de saber da morte dos parentes.

"Ele quis mudar para Santa Catarina em busca de trabalho para ter uma renda melhor e ajudar mais a família", completou.

Consultados pelo UOL, a PRF (Polícia Rodoviária Federal) e o Corpo de Bombeiros disseram que não divulgam através da imprensa nome de vítimas sobreviventes e nem a relação dos mortos.

A Prefeitura de Joinville, cidade que está recebendo parte dos sobreviventes, informou que buscaria saber se a família paraense deu entrada no Hospital Municipal São José, que é para onde são levados os feridos mais graves do acidente, mas não retornou aos contatos.

A Prefeitura de Garuva, em Santa Catarina, que atendeu casos leves de feridos, divulgou que recebeu nove passageiros, porém entre os nomes não estavam a família de Antônio.

A SESP (Secretaria de Segurança Pública) do Paraná afirmou que os corpos das pessoas mortas no acidente estão sendo levados para o IML (Instituto Médico Legal) de Curitiba, que divulgará a lista de passageiros que não resistiram.

Acidente em Guaratuba  matou mais de uma dezena de pessoas - Divulgação/PRF - Divulgação/PRF
acidente Guaratuba
Imagem: Divulgação/PRF

Acidente na BR-376

Segundo a Arteris, concessionária que administra a via, o acidente ocorreu por volta das 8h30. O veículo tinha placa de Belém. O ônibus pertencia à empresa de turismo TC Pires da Cruz.

De acordo a PRF (Polícia Rodoviária Federal), o veículo seguiria para São José após a parada em Balneário Camboriú. O trânsito foi normalizado no trecho por volta das 17h20, informou a Arteris.

No último balanço do acidente divulgado pelos Bombeiros, por volta das 14h10, consta:

  • 19 mortes
  • 7 vítimas graves
  • 6 vítimas moderadas
  • 20 vítimas leves

Em nota, a TC Pires da Cruz informou que o ônibus foi fretado por uma terceira pessoa, responsável pelo grupo, que também estava no veículo.

Estavam a bordo 53 passageiros e dois motoristas, segundo os Bombeiros. O acidente aconteceu no km 668 em um local conhecido como curva da Santa, no sentido Santa Catarina.

O ônibus saiu da pista, rompeu a mureta de proteção e caiu numa ribanceira. Ainda não se sabe o que teria provocado o acidente.

"A empresa está providenciando um meio de comunicação para prestar informações aos familiares", completa a nota da proprietária do ônibus.

Cotidiano