PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Menino morre após receber quatro anestesias para enfaixar braço quebrado

Saimon Gabriel Freitas Neri foi hospitalizado após quebrar o braço em acidente de moto em Manicoré (AM) - Arquivo Pessoal
Saimon Gabriel Freitas Neri foi hospitalizado após quebrar o braço em acidente de moto em Manicoré (AM) Imagem: Arquivo Pessoal

Ed Rodrigues

Colaboração para o UOL, no Recife

25/02/2021 18h59

Um menino de 6 anos morreu no Amazonas após tomar anestesias para imobilizar o braço quebrado. A família de Saimon Gabriel Freitas Neri acusa o hospital onde a criança estava internada de erro médico. Segundo a mãe do garoto, Sandy Freitas Pantoja, o menino passou mal depois de recebido três doses de anestesia local e uma de anestesia geral.

O caso ocorreu no município de Manicoré, a 332 km de Manaus. Saimon morreu no último sábado (20), mas somente hoje o caso ganhou repercussão. A família denunciou a equipe médica do Hospital Regional Doutor Hamilton Cidade por imperícia.

"Meu filho e meu marido sofreram um acidente de moto. Ele ficou com o bracinho quebrado esperando quatro dias para ser atendido. Depois, aplicaram três anestesias sem nem perguntar se ele estava com a barriguinha cheia. Como é que pode uma coisa dessa?", questionou Sandy.

A mãe de Saimon explicou ao UOL que o médico responsável pelo atendimento decidiu aplicar mais uma dose. "Ele ainda ficou inquieto. Aí, resolveram aplicar uma geral. Na sala de recuperação, eu vi os pés dele ficando brancos. Botei a mão no coraçãozinho dele e estava muito fraco. E parou. Chamei pelo médico e ele já levou meu filho para intubar", continuou.

A família alega que a equipe médica não sabia o que estava fazendo e que, inclusive, flagrou os profissionais procurando explicação sobre procedimentos na internet.

"Quando a gente entrou para falar com eles, antes de ajeitarem o bracinho dele, os enfermeiros e os médicos estavam assistindo YouTube para aprender com aplicar anestesias", disparou.

No atestado de óbito do menino, o hospital associa a causa da morte a três fatores: parada cardíaca não especificada; efeitos adversos a anestésicos não especificados; e pneumonia devido a alimento ou vômito.

O UOL procurou a Secretaria de Saúde do Amazonas para obter um posicionamento sobre a denúncia. Em nota, o órgão declarou que tomou ciência do fato hoje e garantiu que um inquérito foi instaurado para avaliar a conduta do médico.

A família do menino também denunciou a morte à Polícia Civil do estado. O órgão contou que o casal procurou a delegacia da cidade. Hoje, acrescentou a pasta, o pai e a mãe de Saimon depuseram na unidade de polícia. Ainda segundo a PC, uma investigação já foi iniciada.

Cotidiano