PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Ele ligou dizendo esperar socorro, diz irmã de vítima de acidente de ônibus

Veículo ia de Aracruz (ES) para Ouro Branco (MG) - Divulgação/Corpo de Bombeiros
Veículo ia de Aracruz (ES) para Ouro Branco (MG) Imagem: Divulgação/Corpo de Bombeiros

Vinícius Rangel

Colaboração para o UOL, em Vitória (ES)

08/03/2021 21h51

O telefone Juliara Santana tocou hoje às 8h30. Do outro lado da linha era o irmão dela, ferido após sofrer um acidente no ônibus que seguia para o trabalho. Ele ainda estava em choque.

"Ele ligou dizendo que esperava socorro e nessa hora eu tomei um susto, achei que era pegadinha", contou a farmacêutica.

O irmão da jovem está entre os 22 feridos no acidente com um coletivo que caiu em uma ribanceira em Santa Rita de Ouro Preto, distrito de Ouro Preto (MG), cidade a cerca de 100 km de Belo Horizonte.

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, o ônibus saiu de uma empresa de metais em Aracruz (ES). Informações obtidas pela reportagem do UOL apontam que o grupo saiu por volta das 19h do Espírito Santo.

Os ocupantes eram capixabas que seguiam para uma empresa multinacional na cidade de Ouro Branco (MG), a 35 km de Ouro Preto, onde prestariam vários tipos de serviços. Jocélio da Silva é almoxarife e estava no fundo do ônibus quando o veículo perdeu o controle.

"Ele não disse para a gente detalhes do acidente. A gente percebeu que ele estava com a voz estranha, ficamos preocupados porque não sabíamos o que realmente tinha acontecido. Ele disse que estava bem, mas não tinha sido socorrido por ninguém", contou a irmã.

O coletivo caiu de uma altura de cerca de 25 metros. Duas pessoas morreram no local e outros 20 foram socorridos. A maioria foi levada para hospitais da região em estado estável e alguns graves. Os nomes e os estados de saúde não foram divulgados.

Juliara disse que o irmão estava em um hospital de Ouro Branco e que passou por uma cirurgia no joelho. Ele iria fazer outros exames, já que estava com um machucado na cabeça. "Graças a Deus o meu irmão está bem, mas tudo isso é desesperador. A gente não sabe quem são as outras vítimas. Foi livramento de Deus", contou Juliara.

Polícia Civil investiga acidente

A Polícia Civil de Minas Gerais abriu um inquérito policial para investigar as causas do acidente. Até o momento, nenhuma informação sobre velocidade, estado de saúde do motorista do coletivo e o que levou o veículo a perder o controle foi divulgado.

A PC informou por meio de uma nota ao UOL, que a perícia técnica compareceu ao locado do acidente para realizar os primeiros levantamentos. Os corpos da suas vítimas fatais foram encaminhados ao Posto Médico Legal, em Itabirito, para serem submetidos a exames periciais.

Empresa monitora profissionais em hospitais

A Imetame Metalmecânica, empresa responsável pelos funcionários no ônibus, disse que mantém equipes em todos os locais onde se encontram os colaboradores envolvidos com o acidente para dar toda a assistência necessária à pronta recuperação dos mesmos, assim como aos familiares.

Informou também que um colaborador já teve alta, enquanto 12 colaboradores se encontram com quadro clínico estável, e passam por exames para avaliação ortopédica na Santa de Casa de Misericórdia em Ouro Preto.

Outros três colaboradores passam por exame de tomografia em Conselheiro Lafaiete, e um passa por exame de tomografia em Ouro Branco, todos eles com quadro estável.

Dois trabalhadores se encontram em estado grave e um com quadro estável, sendo atendidos em um hospital especializado em traumatologia em Belo Horizonte.

"Já foram providenciados os traslados dos corpos dos colaboradores que infelizmente vieram a óbito para sepultamento. Sentimos muito e pedimos a Deus que conforte todas as famílias. Por respeito aos colaboradores e familiares, a Imetame não divulgará qualquer lista contendo os nomes dos envolvidos no acidente", disse a empresa em nota.

A Gerdau, que contratou os serviços dos profissionais, lamentou profundamente o acidente com o ônibus da empresa que transportava os trabalhadores que fariam serviços de manutenção na usina da Ouro Branco (MG).

"A Gerdau se solidariza com as vítimas e seus familiares e está em contato permanente com a Imetame para dar o suporte necessário", disse em nota.

Cotidiano