PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
6 meses

Cliente é suspeito de matar comerciante por se recusar a usar máscara em SC

Daniel foi morto após exigir uso de máscara em mercado de Santa Catarina - Reprodução/Facebook
Daniel foi morto após exigir uso de máscara em mercado de Santa Catarina Imagem: Reprodução/Facebook

Luan Martendal

Colaboração para o UOL, em Florianópolis

23/03/2021 10h16

Um comerciante foi morto a tiros depois de se negar a atender três clientes que estavam sem máscara de proteção em um supermercado de Itapema, no litoral norte de Santa Catarina. O crime aconteceu na noite de ontem, no bairro Alto São Bento, e causou a morte de Daniel Pereira Santos, de 24 anos.

A ocorrência foi registrada pelo 12º Batalhão de Polícia Militar, que confirmou que o assassinato ocorreu após uma discussão a respeito das medidas sanitárias estaduais - que proíbe a entrada de pessoas sem máscara em espaços fechados com possibilidade multa de R$ 500 para quem descumprir o decreto.

Segundo a mãe do jovem relatou à polícia, horas antes do homicídio o suspeito e outras duas pessoas tentaram entrar no estabelecimento comercial sem máscara e o filho pediu para que eles se retirassem, porque a atitude geraria multa para o mercado da família. Irritado por ter sido barrado durante o atendimento, o homem retornou por volta das 19h20 com uma arma e atirou várias vezes contra a vítima.

O rapaz chegou a ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros e foi levado para o Hospital Santo Antônio de Itapema. Os socorristas informaram que Daniel estava com um ferimento no pescoço provocado pelo disparo da arma de fogo e não resistiu, vindo a óbito ao dar entrada na unidade de saúde.

Conforme populares, os autores do crime fugiram em um Fiat Uno de modelo antigo, na cor escura. A guarnição fez rondas nas proximidades do bairro com o objetivo de encontrar o suspeito, porém sem êxito até a manhã de hoje. A Policial Civil foi acionada e vai investigar o caso.

O UOL entrou em contato com a família da vítima que, abalada, optou por não conversar com a reportagem

Coronavírus