PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Esse conteúdo é antigo

"Temos que dar exemplo", disse Jairinho em live com Crivella em outubro

Colaboração para o UOL*

09/04/2021 15h38

Investigado por possível envolvimento na morte do menino Henry Borel, ocorrida no dia 8 de março, o vereador do Rio de Janeiro, Dr. Jairinho, participou em outubro de uma transmissão ao vivo feita pelo então prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, e pregou que as pessoas "precisam dar exemplo".

Líder de governo da adminstração de Crivella, Jairinho comentou "momentos difíceis" que a equipe passou por conta da pandemia da covid-19, mas exaltou a união entre eles.

"Passamos por momento difíceis juntos, com a equipe, e os momentos difíceis fazem com que nos unamos. O exemplo dá o costume. A gente tem que dar exemplo, isso aí vai levando para nossas gerações, para os nossos filhos.", disse Jairinho no início da transmissão

A transmissão foi feita no Dia das Crianças, semanas antes do primeiro turno das eleições municipais que aconteceram ano passado, e fazia parte da estratégia de campanha eleitoral de Crivella. Elogiando o então prefeito, Jairinho afirmou que o povo "conhece os valores" deles.

"O povo de Bangu me conhece, a cidade do Rio de Janeiro. Conhece meu trabalho, conhece o senhor sabe que nossos valores e as nossas direções tem uma só, a retidão", completou Jairinho.

Crivella também não poupou elogios à Jairinho, que em 2020 se elegeu parlamentar no Rio de Janeiro pela quinta vez.

"O Jairinho é um dos poucos vereadores no Brasil que tem mandato vitalício, o povo de Bangu não abre mão. O vereador é quem vê a dor, e o Jairinho viu a dor do povo de Bangu", elogiou Crivella.

Jairinho e Monique passam primeira noite presos

O vereador Dr. Jairinho e sua namorada, Monique Medeiros, suspeitos por envolvimento na morte de Henry, foram encaminhados ao sistema penitenciário do estado do Rio e passaram, ontem (8), a primeira noite na cadeia.

O parlamentar está no presídio Pedrolino Werling de Oliveira, que fica no Complexo de Gericinó (Bangu). Já Monique foi levada para o Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói.

Os dois ficarão isolados, dentro do presídio, por um período inicial de 14 dias, como medida de prevenção à disseminação da covid-19 dentro do sistema penitenciário. A medida, segundo a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária do Rio, é adotada para todos que entram nas cadeias do estado.

Jairinho e Monique se declaram inocentes e alegam que Henry morreu acidentalmente depois de cair da cama. Já a perícia indica que o corpo do menino mostrava sinais de agressão.

(Com Agência Brasil)

Cotidiano