PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Mulher caiu por acidente de cobertura do namorado em BH, conclui MP

 Hilma Balsamão de Morais, 38, morreu em novembro de 2020 após cair da varanda de apartamento em BH - Reprodução/Facebook
Hilma Balsamão de Morais, 38, morreu em novembro de 2020 após cair da varanda de apartamento em BH Imagem: Reprodução/Facebook

Bruno Torquato

Colaboração para o UOL, em Betim (MG)

14/04/2021 14h57Atualizada em 14/04/2021 14h57

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e a Polícia Civil (PC) divulgaram hoje a conclusão das investigações sobre a morte da administradora de imóveis Hilma Balsamão, de 38 anos.

A investigação apontou que a queda da mulher da cobertura em que o namorado morava, na região da Pampulha, em Belo Horizonte, foi acidental. Na época do caso, em novembro do ano passado, foram levantadas suspeitas de que a morte se tratava de homicídio ou suicídio, hipóteses descartadas pelas autoridades.

O caso estava em segredo de Justiça, retirado após a conclusão da investigação, e agora foi arquivado.

A promotora de Justiça Denise Gerzoni, que acompanhou o caso, disse que as provas periciais levaram a exclusão de fatores externos que poderiam ter influenciado a morte de Hilma.

"Houve o descarte de um feminicídio ou outro crime doloso como, por exemplo, auxílio ao suicídio. A conclusão é muito convincente e tranquila de que não houve morte violenta aliada a duas circunstâncias: a não intervenção de uma terceira pessoa e o entorpecimento encontrado com um teor alcoólico notável no organismo da vítima", disse.

Ainda de acordo com a promotora do MP-MG, ao encaminhar o caso para o arquivamento foi solicitado que seja explícita a informação de que havia sinais vitais após a queda, para descartar a hipótese de morte antes do fato.

Já a delegada da Polícia Civil, Ingrid Estavam, do núcleo especializado de investigação de feminicídios, disse que o trabalho policial começou levando em conta todas as teorias possíveis e que, após ouvir testemunhas e fazer o trabalho de reconstituição, foi possível responder aos questionamentos do que teria ocorrido.

A delegada detalhou que em determinado momento houve uma discussão entre Hilma e Gustavo Almeida Veloso, dono do apartamento e namorado da moça.

Gustavo inclusive pediu a seu filho, que estava presente no local, para que ele filmasse a situação para registrar que ela estava exaltada, conta Ingrid.

"Ela toma o celular e joga no chão e, então, vai em direção a piscina. Todos acharam que ela iria pular ali, mas ela passa a perna no parapeito da cobertura e por descuido não conseguiu segurar o corpo e caiu", conta a delegada, que ressaltou a inexistência da intenção de se matar.

A reportagem entrou em contato com o escritório do advogado Gustavo Americano, que representa Gustavo Almeida Veloso, mas não recebeu retorno. O UOL também não obteve sucesso em localizar a família de Hilma.

Cotidiano