PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
15 dias

Influenciador é criticado por foto com Flordelis e rebate: 'Pode falar'

18.mai.21 - Youtuber Thomas Santana posta foto com a deputada Flordelis, acusada de ser mandante do assassinato do marido - Reprodução/Redes sociais
18.mai.21 - Youtuber Thomas Santana posta foto com a deputada Flordelis, acusada de ser mandante do assassinato do marido Imagem: Reprodução/Redes sociais

Do UOL, em São Paulo

18/05/2021 13h05Atualizada em 18/05/2021 13h43

Após aparecer cantando ao lado da deputada Flordelis (PSD-RJ), o youtuber Thomas Santana vem recebendo críticas nas redes sociais. Flordelis é acusada de ser mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019.

Ontem, o influenciador compartilhou no Instagram que estava esperando o culto acabar para se encontrar com a "Flor". Ele acrescenta que o local está "com muito burburinho" e por isso decidiu esperar do lado de fora. No entanto, Thomas e Flordelis gravam os stories seguintes sem a máscara facial, que evita a disseminação do coronavírus.

Eles cantam a música "Quem Sou Eu", da deputada, que também é cantora gospel. Aos risos, ela comenta: "O que Thomas faz é brincar, mesmo que seja com a tristeza dos outros".

Nas redes sociais, usuários não deixaram a situação passar em branco e criticaram o influenciador. O termo "assassina" é um dos assuntos mais comentados do Twitter, com 15,7 mil menções:

Relembre o caso Flordelis

A deputada é acusada pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) por "arquitetar o homicídio" de seu marido, "arregimentar e convencer o executor direto e demais acusados a participarem do crime sob a simulação de ter ocorrido um latrocínio" e também "financiar a compra da arma e avisar da chegada da vítima no local em que foi executada".

Simone dos Santos Rodrigues, filha biológica de Flordelis, é acusada de participação no crime ao lado de Lucas Cézar dos Santos e Flávio dos Santos Rodrigues, outros dois filhos da deputada. Em depoimento à polícia, feito em janeiro, Simone admitiu que pagou R$ 5 mil para matar o pastor Anderson. O dinheiro teria sido entregue para sua irmã, Marzy Teixeira.

Em fevereiro, a Justiça do Rio decidiu suspender Flordelis do exercício das suas funções públicas. Os desembargadores da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro acompanharam por unanimidade o voto do relator Celso Ferreira Filho, em julgamento por videoconferência.

Na quinta-feira (13), a deputada Flordelis acusou, sem citar nomes, políticos, blogueiros, líderes religiosos e alguns filhos de estarem interessados em prejudicá-la e reclamou por estar respondendo a processo por quebra de decoro parlamentar, mesmo sem ter sido julgada pelo assassinato do marido.

Durante o depoimento ao Conselho de Ética, a deputada se emocionou ao negar a acusação de ter violado a tornozeleira eletrônica que usa para ser monitorada. A parlamentar também lamentou não ter recebido apoio da bancada feminina da Câmara dos Deputados.

Cotidiano