PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
6 meses

'Desgastada', viúva de João Alberto receberá mais de R$ 1,1 mi do Carrefour

João Alberto Silveira Freitas morreu após ser espancado por seguranças no Carrefour, em Porto Alegre, em 19 de novembro do ano passado - Arquivo pessoal
João Alberto Silveira Freitas morreu após ser espancado por seguranças no Carrefour, em Porto Alegre, em 19 de novembro do ano passado Imagem: Arquivo pessoal

Rafael Bragança

Do UOL, em São Paulo

27/05/2021 20h03Atualizada em 27/05/2021 20h37

A viúva de João Alberto Silveira Freitas, Milena Borges Alves, assinou hoje um acordo milionário com o Carrefour pela morte do seu marido em novembro de 2020, após ser espancado por seguranças no estacionamento de uma unidade da rede em Porto Alegre. Em contato feito pelo UOL, a defesa de Milena disse que ela já estava "muito desgastada" com a negociação, e que agora pretende processar a empresa terceirizada Vector, responsável pela segurança da unidade.

Milena receberá um valor entre R$ 1,1 milhão e R$ 5 milhões segundo o seu advogado Hamilton Ribeiro, que não divulgou o valor exato por causa de uma cláusula de confidencialidade do acordo. Há pouco menos de um mês, o Carrefour depositou R$ 1,1 milhão para Milena com a finalidade de consignação extrajudicial.

À época, a viúva de João Alberto recusou a proposta. A defesa pedia o valor de R$ 5 milhões, mas Milena e seus advogados concordaram com a oferta do Carrefour para evitar a judicialização do caso, com receio de a Justiça decidir por um valor ainda menor do que o do acordo.

A Milena pediu para encerrar porque estava muito desgastada já. Cada semana que passa, cada vez que ela tem que mexer na ferida é um problema. Estava muito desgastante para ela desde novembro isso, não acaba nunca essa história, então a gente resolveu liquidar isso.
Hamilton Ribeiro, advogado da viúva de João Alberto

Para a defesa de Milena, um valor "razoável" para o acordo com o Carrefour seria o a da indenização que a família de George Floyd receberá nos Estados Unidos da cidade de Minneapolis, onde o homem negro foi morto após ser asfixiado por um policial branco. Os familiares de Floyd ganharam o direito de receber US$ 27 milhões, equivalente a cerca de R$ 150 milhões.

"O poder econômico deles [Carrefour] é muito grande. Eles não pagaram o que a gente pediu", resumiu Ribeiro, que criticou o sistema judiciário brasileiro. "O Judiciário defende o interesse dos poderosos", afirmou.

Sobre o processo contra a Vector, responsável pela contratação dos dois seguranças que estão presos e respondem por homicídio triplamente qualificado — Giovane Gaspar da Silva e Magno Braz Borges —, Ribeiro disse que já enviou e-mails para a empresa, mas ainda não obteve resposta.

A ideia da defesa de Milena, que também é formada pelo advogado Carlos Barata, é conseguir um valor que venha a somar ao acordo firmado com o Carrefour, assinado hoje com o acompanhamento da Defensoria Pública em Porto Alegre.

Defesa processará Carrefour

A defesa de Milena também antecipou que na semana que vem entrará com um processo por danos morais contra o Carrefour. Quando os advogados da viúva entenderam como pressão o depósito feito pela marca francesa em abril, o Carrefour respondeu afirmando que eles estavam dificultando a negociação e que cobravam honorários acima da tabela da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Ribeiro negou a afirmação da rede de supermercados e disse que o processo contra o Carrefour será por "constrangimento, calúnia e difamação".

Os advogados de Milena entendiam à época do depósito feito pelo Carrefour que o valor era praticamente o mesmo do que foi pago pela marca em 2018, quando o cão Manchinha foi espancado por um segurança de uma unidade do supermercado em Osasco (SP). A marca francesa destinou R$ 1 milhão para um fundo destinado a combater maus-tratos aos animais na cidade paulista.

Carrefour valoriza acordo

Em nota publicada hoje sobre o acordo firmado com Milena, o Carrefour valorizou a conclusão das indenizações destinadas à família de João Alberto. Além da viúva, a rede também fez acordos com outros oito familiares -- quatro filhos, uma enteada, uma neta, uma irmã e o pai de João Alberto.

Desde o primeiro momento, nossa principal prioridade foi dar o suporte necessário para os familiares, na parte psicológica e financeira. Conseguimos avançar rapidamente nos acordos com todos os familiares e hoje concluímos o último acordo com a senhora Milena.
João Senise, vice-presidente de RH do Carrefour

A marca francesa também afirmou que "disponibilizou, desde novembro, toda assistência financeira e psicológica para a família de João Alberto Freitas, incluindo uma assistente social e os gastos do dia a dia (supermercados, aluguéis, transportes, educação, entre outros)".

Cotidiano