PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
4 meses

Cozinheira pede socorro em guardanapo após ser assediada por chefe em SC

Bilhete com o pedido de socorro da jovem e buchas de cocaína encontradas na lanchonete - Reprodução/Facebook/GCM de Chapecó
Bilhete com o pedido de socorro da jovem e buchas de cocaína encontradas na lanchonete Imagem: Reprodução/Facebook/GCM de Chapecó

Colaboração para o UOL, em São Paulo

31/05/2021 12h58Atualizada em 31/05/2021 12h58

Uma funcionária de uma lanchonete em Chapecó (SC) foi socorrida após pedir ajuda por meio de um guardanapo enviado em um lanche via delivery, na madrugada do sábado (29). No bilhete, a jovem de 19 anos relatou que estava sendo assediada pelo dono do local que, segundo ela, tentava droga-la.

De acordo com a Guarda Civil Metropolitana (GCM), ao chegar no local, os oficiais entraram em contato com o proprietário do estabelecimento e localizaram a vítima na cozinha. Em conversa com os guardas, a jovem disse que o chefe havia lhe oferecido cocaína e passado a mão em suas pernas e em seu pescoço.

Na denúncia, a mulher ainda afirmou que foi agarrada e levada em direção a um quarto. O suspeito teria oferecido R$ 150 para cada vez que ela tivesse uma relação sexual com ele. Entretanto, a vítima conseguiu escapar.

A mulher ainda contou que homem lhe ofereceu um copo de vinho com Coca-Cola. Ela afirmou que flagrou ele manipulando um produto branco. Desconfiada de que o ato fosse mais uma tentativa do chefe para droga-la, a jovem resolveu escrever o bilhete de socorro:

Por favor, chame a polícia nesse endereço. Meu chefe está me assediando e está tentando me drogar. Sou cozinheira. Por favor, não é brincadeira."

O casal que recebeu o lanche com a mensagem se solidarizou com o relato da mulher e entrou em contato com a GCM. Na inspeção no estabelecimento, além de questionar o dono e a funcionária, os oficiais localizaram duas buchas de cocaína.

A jovem e o suspeito foram conduzidos à Central de Plantão Policial, onde um boletim de ocorrência foi registrado. Nenhuma prisão foi efetuada, no entanto, segundo a GCM, um inquérito será instaurado para apurar a denúncia.

Cotidiano