PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Falso médico acusado de golpes financeiros por ex-namoradas é preso

Diego Aparecido Alves, de 29 anos, é acusado de estelionato por ex-namoradas - Reprodução/Instagram/@diegoalvesgolpista30
Diego Aparecido Alves, de 29 anos, é acusado de estelionato por ex-namoradas Imagem: Reprodução/Instagram/@diegoalvesgolpista30

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL

15/06/2021 13h16

A Polícia Civil de Sergipe prendeu ontem Diego Aparecido Alves dos Santos, de 29 anos, apontado por ex-namoradas de aplicar golpes financeiros em pelo menos cinco estados. O caso foi relevado em reportagem do UOL.

A prisão ocorreu em Aracaju enquanto o suspeito usava o cartão de crédito de uma nova vítima, de Ribeirópolis, a 78 km da capital de Sergipe. Ele responderá pelo crime de estelionato.

Natural de Paraibuna (SP), Diego é suspeito de se passar por advogado, engenheiro civil e médico para conquistar a confiança das vítimas e subtrair bens de valores e dinheiro. Ex-namoradas estimam mais de dez mulheres como vítimas.

De acordo com o delegado Hugo Leonardo, a vítima sergipana se envolveu há dois meses com Diego Aparecido e procurou a polícia após prejuízos com compras realizadas em nome dela pelo suspeito.

"Ele agiu da mesma forma. Pegou o cartão de crédito com as senhas e fez diversas compras e saques. Assim que se sentiu lesada, procurou a delegacia para informar da situação. Com isso, fizemos o flagrante", explicou o delegado.

A Polícia Civil descobriu que Diego usava dois carros no apartamento que alugou em Aracaju. Os veículos estavam em nomes de antigas vítimas.

Diego Aparecido Alves se dizia médico para ex-namoradas - Reprodução/Instagram/@diegoalvesgolpista30 - Reprodução/Instagram/@diegoalvesgolpista30
Diego Aparecido Alves se dizia médico para ex-namoradas
Imagem: Reprodução/Instagram/@diegoalvesgolpista30

"Fizemos uma campana em frente ao edifício onde ele alugou o apartamento. Vimos o Diego saindo com um veículo e a nossa equipe o acompanhou. Ele parou em algumas lojas na cidade e descobrimos diversos boletins de ocorrências em vários estados dando conta de que mulheres eram vítimas de golpes financeiros", contou o delegado.

Segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública) de Sergipe, Diego ainda aguarda audiência de custódia saber se continua preso ou solto. O suspeito permanecia sem advogado até o início da tarde de hoje.

Em depoimento, Diego confessou os golpes, segundo a polícia. "O trabalho dele é esse. Em depoimento, disse que sua principal arma é a própria mente. É algo que deve ser analisado até pela equipe psiquiátrica", revelou o delegado Hugo Leonardo.

Golpe de R$ 800 mil em criptomoedas

Além de dar prejuízo financeiro em ex-namoradas, Diego teria confessado aos policiais que causou danos em paraguaios, enquanto esteve em Foz do Iguaçú, no Paraná.

O suspeito relatou que montou uma empresa de falsos fundos de investimentos com a promessa de lucro alto.

"No Paraguai, ele aplicou golpe financeiro por meio de criptomoedas. Ele dizia que tinha uma agência de investimentos com retorno alto. O Diego contou que esse dinheiro transferido pelas pessoas era ilegal e por isso as vítimas não poderiam declarar ou denunciar", concluiu.

Como golpe funcionava

Ao UOL, ex-namoradas contaram com exclusividade como os golpes aconteciam. Diego procurava vítimas em eventos considerados de alto padrão. Ele andava com carros de luxo alugados e se vestia com roupas de marca. Além disso, costumava enviar fotos às vítimas com roupas condizentes com a profissão que dizia exercer e seduzia com falsas promessas.

Além de Sergipe, as ex ouvidas pela reportagem eram da Bahia, Minas Gerais, Paraná e São Paulo. Elas ainda apontaram ameaças de morte por parte do suspeito.

Até então, a vítima mais recente era uma dentista de 26 anos, de Salvador. Ela conta que conheceu Diego em um bar e ambos namoraram por três meses, entre fevereiro e abril deste ano. O suspeito disse que era engenheiro civil em Camaçari (BA) e estudante de medicina.

A dentista conta que ela e a família sofreram golpes que somam R$ 11,8 mil. Além do prejuízo, a dentista conta que recebe áudios com ameaças.

Cotidiano