PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
4 meses

Amigo chamado para buscar motorista embriagado é preso por dirigir bêbado

Policiais Rodoviários fazem abordagem em Presidente Prudente - Divulgação/Polícia Rodoviária
Policiais Rodoviários fazem abordagem em Presidente Prudente Imagem: Divulgação/Polícia Rodoviária

Naian Lopes

Colaboração para o UOL, em Pereira Barreto (SP)

12/07/2021 13h24

Um homem de 34 anos foi detido por dirigir embriagado pela Polícia Rodoviária na noite de ontem, na Rodovia Júlio Budiski (SP-501), em Presidente Prudente (SP). Sem condição de dirigir, os policiais o autorizaram a ligar para um amigo buscar o automóvel e o rapaz de 35 anos também foi preso por embriaguez.

As autoridades estavam realizando a Operação Nove de Julho, quando identificaram que um carro estava andando em ziguezague na rodovia. Preocupados com um possível acidente, eles pediram para que o carro parasse e iniciaram a abordagem, já que o motorista não apresentou nenhuma resistência.

O homem aceitou realizar o teste do bafômetro e, ao assoprar no equipamento, foi identificado 0,62 miligramas de álcool por litro de ar, número muito maior do que o permito pela lei, de 0,05 mg/L. Ele recebeu voz de prisão e foi autorizado a ligar para alguém buscar o veículo apreendido.

O rapaz entrou em contato com um amigo, que compareceu ao local. Porém, os policiais pediram ao homem para que também fizesse o teste do bafômetro e o resultado foi de 0,42 ml/L de álcool. Por conta disso, ele também acabou sendo preso em flagrante.

Vale ressaltar que a Lei Seca proíbe a condução de veículo, na via pública, quando o motorista está com concentração de álcool por litro de sangue igual ou maior a seis decigramas ou sob a influência de qualquer outra substância psicoativa que determine a dependência.

Com a comprovação de que os dois homens estavam embriagados, eles foram levados para a Delegacia da Polícia Civil e prestaram esclarecimentos. O delegado determinou que a fiança fosse de um salário mínimo (R$ 1,1 mil) para cada, mas eles não pagaram o valor. Por conta disso, a dupla segue na cadeia à disposição da Justiça.

Cotidiano