PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses

Pintor explica 'expulsão' de rodízio e revela recorde: 52 pedaços de pizza

João Carlos postou nas redes sociais foto com sua "coleção" de pratos vazios  - Reprodução/Instagram
João Carlos postou nas redes sociais foto com sua "coleção" de pratos vazios Imagem: Reprodução/Instagram

Andréia Martins

Do UOL, em São Paulo

16/07/2021 12h16Atualizada em 16/07/2021 14h24

O pintor João Carlos, de 29 anos, está curtindo os minutos de fama depois de ser "expulso" de um rodízio em São Paulo por comer demais. Em conversa com o UOL, ele explicou a "expulsão" após comer 15 pratos em um rodízio ontem e contou que o protesto foi uma brincadeira.

"Eu estava almoçando e o gerente chegou em tom de brincadeira e disse que o máximo que o pessoal come lá é quatro, cinco pratos 'e me chega você comendo 15 pratos. O pessoal está indo embora", contou João. O pintor disse que ao ver os clientes indo embora da unidade da Ragazzo, o gerente ficou preocupado.

"Ele falou 'você não obrigado, mas eu ganho por comissão de venda. Se você for embora eu te pago do meu bolso o rodízio (no valor de R$ 19,90) e depois você volta". João topou e voltou. Ao final do dia, ele tinha comido 35 pratos no rodízio de massa do local — para quem achou muito, ele contou que já comeu duas coxinhas de um quilo em um dia e 52 pedações de pizza em uma noite.

A história da "expulsão" viralizou depois que ele postou os vídeos da situação no Instagram, mostrando os pratos vazios sobre a mesa do restaurante e "protestando" por seus direitos como consumidor. "Isso não se faz, só porque eu comi 14 pratos, com esse 15?", questionou, bem-humorado.

Essa foi a terceira vez que João comeu na Ragazzo. Morador do Capão Redondo, ele diz que, como está desempregado, das vezes anteriores comprou apenas coxinha. "O cara que trabalha comigo disse que não dá para almoçar coxinha sempre e me deu um vale de R$ 20", contou o pintor.

O serviço para ajudar em uma pintura na região apareceu há pouco tempo, próximo ao restaurante. Separado e pai de duas meninas, ele conta que a pandemia dificultou muito o seu trabalho. "Por causa da pandemia não estava mais podendo entrar nos condomínios e aí quebrou minhas pernas. Não tenho muito dinheiro então, quando vi o preço do rodízio, aproveitei", disse.

O pintor espera que a fama repentina o ajude a retomar os trabalhos. As aparições na TV já lhe renderam convites para ir a outros rodízios pela cidade. "Pessoal quer aproveitar a onda. Tenho recebido muitos convites para ir a rodízios, mas só para mim. Bom mesmo seria se eu pudesse levar outra pessoa, né?", disse ele.

Cotidiano