PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
3 meses

PM agride mulher com bebê no colo e a chama de 'cachorra' no RN

Mulher com bebê no colo foi agredida por policial ao tentar denunciar violência doméstica - Reprodução
Mulher com bebê no colo foi agredida por policial ao tentar denunciar violência doméstica Imagem: Reprodução

Aliny Gama

Colaboração para o UOL

16/07/2021 20h27

Uma mulher, de identidade não divulgada, foi agredida com tapas no rosto, levou empurrões e foi xingada com palavras como "cachorra" por um policial militar na noite de ontem, no município de Santo Antônio (RN), no agreste potiguar. A ação foi gravada em vídeo e divulgada por vizinhos, que acompanharam o atendimento de uma denúncia de violência doméstica.

As imagens mostram a mulher, que segurava um bebê no colo, caindo no chão após ser empurrada pelo policial, que não foi identificado.

A Polícia Militar do RN foi acionada para conter o irmão da vítima, que estaria sendo agressivo dentro de casa. Quando os três agentes chegaram no local, entraram no imóvel em busca do irmão da mulher. Ao voltar da casa de vizinhos para a sua residência, ela, vista com um bebê no colo, gritou "espera aí, que ninguém precisa bater nele não".

No vídeo, é possível ouvir um policial dizendo: "meta a mão mesmo! Bata nessa cachorra". A vítima chegou a responder: "eu não sou cachorra não, graças a Deus". Em seguida, um dos agentes aparece agredindo-a fisicamente.

"Tu é (sic) cachorra, você respeite e quem dá na tua cara sou eu, entendeu?", diz o PM, que dá vários tapas no rosto e empurrões na mulher. Um dos policiais retira o bebê dos braços da mulher, assim que ele começa a chorar. A mulher cai no chão e continua sendo agredida.

Pelas redes sociais, a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), condenou a ação e disse ter entrado em contato com a cúpula da segurança pública para garantir a investigação do caso. Sobre as imagens, declarou: "uma cena abominável, que agride não só a nós, mulheres, mas a uma sociedade atenta a um contexto que, infelizmente, continua a nos horrorizar e a nos indignar."

A PM afirmou que lamenta a situação e que o comando-geral, ao tomar conhecimento do ocorrido, determinou o afastamento imediato dos policiais militares envolvidos. "Também foi determinada a abertura de processo administrativo disciplinar objetivando apurar as responsabilidades dos fatos que ocorreram na trágica ocorrência", informou o porta-voz da PMRN, tenente-coronel Eduardo Franco.

O UOL tentou localizar a vítima, durante a tarde de hoje, mas não teve sucesso. A reportagem tentou contatar a defesa dos policiais afastados, mas a PM não divulgou as identidades deles nem de seus advogados.

Cotidiano