PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Advogado e namorado denunciam agressão durante abordagem de PM em GO

Casal estava a caminho da casa de parentes quando foram abordados por PMs - Reprodução/ TV Anhanguera
Casal estava a caminho da casa de parentes quando foram abordados por PMs Imagem: Reprodução/ TV Anhanguera

Do UOL, em São Paulo

25/10/2021 23h54Atualizada em 25/10/2021 23h54

Um casal, de 25 e 33 anos, que preferiu não se identificar, denunciou uma agressão que ambos teriam sofridos por um policial militar durante uma abordagem em Goiânia, no bairro da Vilar Alto da Glória. Uma das vítimas, que é advogado, estava com o namorado na frente da casa da irmã, aguardando o portão eletrônico abrir, quando foram abordados, no último sábado (23).

"Quando ele estava abrindo um dos policiais já veio para a lateral do veículo, apontando a arma e gritando super alterado para que eu saísse do veículo, e o outro estava na outra lateral, na porta do motorista. E, como ele estava muito alterado, abaixei o vidro e falei que não tinha necessidade daquilo, tratar a gente daquela forma", contou.

O advogado conta que os dois foram instruídos a descer do carro, ficar de costas e abrir as pernas e, nesse momento, as agressões, até então verbais, teriam passado a ser também físicas.

Ele começou a chutar as minhas pernas para abrir, pegou o meu braço, me levou pro outro lado do veículo e ele continuou insistindo e me chutando; eu só senti os socos na minha cabeça, contra o veículo. Eu fiquei muito atordoado, desesperado. Comecei a gritar pela minha irmã, e nesse momento meu companheiro falou pra eu entregar o meu documento, e foi nesse momento que o policial deu o soco no olho do meu companheiro, que inclusive teve que fazer cirurgia [reconstrução das pálpebras].

O casal divulgou fotos com marcas de sangue que teriam sido do momento da abordagem, bem como um amassado na lataria, que seria resultado das agressões na cabeça. Os dois registraram boletim de ocorrência e foram submetidos a exame de corpo de delito no IML (Instituto Médico Legal), além de formalizar queixa junto à Polícia Militar de Goiás.

Em resposta ao UOL, a Corregedoria da PM informou apenas que um procedimento foi instaurado para apurar a denúncia, sem dar detalhes. Os agentes envolvidos na abordagem, incluindo o suspeito de agressão, não tiveram as identidades reveladas.

O advogado diz falar sobre a denúncia para que o episódio não seja "apenas mais um caso", mas confessa que ele e namorado estão lidando com medo constante. "Nem em casa estamos, com medo de sermos surpreendidos e mortos. É muita insegurança".

Cotidiano