PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Greve de ônibus deixa Belo Horizonte com apenas 30% das linhas operando

Rodoviários recusaram proposta de aumento salarial do Sindicato de Empresas e retomaram paralisação suspensa na semana passada - Adriano Machado/Reuters
Rodoviários recusaram proposta de aumento salarial do Sindicato de Empresas e retomaram paralisação suspensa na semana passada Imagem: Adriano Machado/Reuters

Do UOL, em São Paulo

02/12/2021 09h07Atualizada em 02/12/2021 12h26

Com a greve de motoristas e cobradores de ônibus de Belo Horizonte, apenas 32,9% das viagens programadas foram realizadas na capital mineira entre as 0h e 10h de hoje. As informações são da BHTrans, empresa de transporte e trânsito ligada à Prefeitura da cidade. O órgão estima que ao menos 912 dos 2.281 coletivos disponíveis na capital devem ficar parados hoje.

As estações mais afetadas são Barreiro, onde não há coletivos operando, Venda Nova, com 6% das viagens programadas operando, e Pampulha (17%). A estação José Cândido é a única com 100% das viagens realizadas, segundo a BHTrans.

A paralisação, suspensa na semana passada, foi retomada nas primeiras horas desta quinta-feira após a categoria rejeitar a proposta de aumento de 9% no salário feita pelo Setra-BH (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte).

"Em duas assembleias realizadas na quarta-feira (1), os rodoviários do transporte coletivo rejeitaram a proposta do SETRA-BH que, entre outros itens, reajustava o salários em 9%. Entretanto, os trabalhadores exigem a normatização do intervalo em no máximo 30 minutos, o retorno do ticket nas férias e a recomposição das perdas salariais dos últimos dois anos", afirma o Sindicato dos Trabalhadores em Rodoviários de Belo Horizonte e Região (STTRBH), que articula a paralisação, em nota divulgada nas redes sociais.

Na noite de ontem, o TRT-MG (Tribunal Regional do Trabalho) determinou que os rodoviários garantissem o funcionamento mínimo de 60% da frota de ônibus na capital mineira. Caso a decisão judicial não seja cumprida, a multa diária foi fixada em R$ 50 mil.

Cotidiano