PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Técnica de enfermagem é morta a facadas na frente da filha, e ex é preso

Franciele Robert da Silva, 33 anos, foi morta a facadas  - Reprodução/Facebook
Franciele Robert da Silva, 33 anos, foi morta a facadas Imagem: Reprodução/Facebook

Vinícius Rangel

Colaboração para o UOL

06/12/2021 12h38Atualizada em 06/12/2021 16h00

A técnica de enfermagem Franciele Robert da Silva, de 33 anos, foi morta a facadas no final da tarde de ontem, em Várzea Grande (MT). De acordo com a Polícia Civil, o suspeito do crime é o ex-companheiro, que não aceitava o fim da relação. O homem ainda feriu o pai da vítima e depois se feriu - segundo a polícia, ele ainda não tem defesa constituída, portanto não foi possível ouvir sua versão.

O crime aconteceu na própria residência da mulher e na frente da filha de 12 anos. As informações do boletim de ocorrência dão conta de que por volta das 17h30, vizinhos contaram à polícia que ouviram muitos gritos vindos da casa. Houve uma discussão e, às 18h, eles acionaram a PM preocupados com o que poderia acontecer no imóvel.

A polícia chegou ao local e encontrou o idoso de 67 anos caído na porta da casa. Ele havia sido esfaqueado no umbigo e no pescoço. Ainda consciente relatou aos militares que o seu ex-genro, Júnior dos Santos Igesca, de 36 anos, tinha o atingido quando tentou evitar que a sua filha fosse agredida pelo homem.

franciele - Reprodução/Facebook - Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

Franciele foi encontrada no quarto, desacordada e com várias perfurações pelo corpo. Os médicos do Samu e outros policiais foram acionados para darem apoio a ocorrência. Assim que os profissionais chegaram, constatam a morte da técnica de enfermagem.

O suspeito do crime foi encontrado dentro do banheiro, ferido. Júnior foi encaminhado com urgência para o Pronto-Socorro de Várzea Grande. Assim que recebeu alta acabou preso em flagrante pelo crime de feminicídio e tentativa de homicídio.

O delegado responsável pelo caso, Olímpio da Cunha Fernandes Junior, titular da Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa, disse que ontem ouviu o irmão da vítima e a filha. Eles confirmaram a informação de Franciele tinha medida protetiva contra o ex e que estavam separados há cerca de dois meses.

"Tudo indica que ele cometeu esse crime porque não aceitava o fim do relacionamento. Nós ouvimos ontem mesmo a filha que presenciou tudo e o irmã da vítima. Infelizmente, está claro mais um caso de feminicídio", afirmou o delegado Olímpio.

Cotidiano